slider

I Encontro Farmale: Uma conversa sobre as Doenças Inflamatórias Intestinais com a Dra Giovana Zibetti
Keep fighting!
III Encontro Farmale: Ostomia e Doenças Inflamatórias Intestinais
I will beat IBD
Ali Jawad, paratleta do halterofilismo com doença de Crohn: Você é uma inspiração para todos nós!
II Encontro Farmale - Diagnóstico das Doenças Inflamatórias Intestinais: Investigação Endoscópica Palestrante: Dr Flavio Abby
Compartilhe conosco sua história

Novos medicamentos no SUS

Novos remédios oferecidos pelo SUS melhoram qualidade de vida dos pacientes

Neste ano, 17 novos medicamentos já foram incorporados à lista de oferta do Sistema Único de Saúde
O acréscimo de 17 novos medicamentos na lista de oferta do Sistema Único de Saúde (SUS) em 2017 ampliou a cobertura de casos atendidos pela rede pública de saúde, melhorando a qualidade de vida dos pacientes. Entre os remédios incorporados estão demandas antigas da população, assim como substâncias que já eram ofertadas, mas que agora alcançam novos grupos e necessidades.
Fabíola Espirini faz tratamento por conta da Doença de Crohn, que afeta o trato gastrointestinal, e utiliza o Certolizumabe, que promete amenizar os sintomas e melhora a qualidade de vida do portador. 
“Se eu fosse comprar o medicamento, gastaria, em média, R$ 3 mil pelo kit fechado com duas seringas”, explicou. Para Fabíola, duas seringas cobrem o tratamento somente durante um mês.
“É fundamental receber os medicamentos gratuitamente. O coquetel é o elixir da vida. A Aids não tem cura, mas tem tratamento”, comenta Christiano Ramos, presidente da ONG Amigos da Vida, que utiliza os remédios Raltegravir e Tenofovir.
Para o antropólogo Angelo Della Croce, de 51 anos, o Tenofovir representou um tratamento menos agressivo. “Dá menos efeitos colaterais, ele é mais aceito pelo organismo. O que eu utilizava antes era muito forte”, conta.
O medicamento Fingolimode é utilizado no tratamento de Esclerose Múltipla. Michelle de Almeida tem 35 anos e, por conta da doença, precisou se aposentar. A rede pública de Saúde fornece para a paciente, todo os meses, uma caixa do remédio, que contém 28 comprimidos. Um alívio não precisar comprometer a renda da família. “Se eu fosse precisar comprar, não sairia por menos de R$ 7, 8 mil”, afirma.
O mesmo medicamento é utilizado por Priscila di Tullio, de 39 anos. “O Fingolimode faz com que eu não tenha surtos que venham a me prejudicar. Eu poderia ficar cega, perder paladar, perder os movimentos de braços e pernas”, disse.
A filha de Diego Hudson, de 9 anos de idade, tem Diabetes Tipo 1. Ela será uma das crianças beneficiadas por ação do Ministério da Saúde anunciada em outubro. A pasta vai investir R$ 135 milhões para a compra de um moderno medicamento para o tratamento da doença. A partir do ano que vem, a insulina análoga será distribuída às crianças pelo SUS.

Aceitar a Ostomia

Essa linda 😍 definiu bem, lá no Instagram, a mistura de sentimentos que acontece quando a decisão é pela ostomia. "Então, bora aceitar."

"Não é fácil. 
Mas foi necessário. 
Nao desejei, nem quis... e de inicio houve aquela repulsa. 
Me imaginar com uma bolsa coletora de fezes era algo surreal. 
então nao tive escolha. E hoje só tenho q agradecer pela qualidade de vida que tenho, e por estar viva.
Se me incomoda? As vezes um pouco, tem dias que muito.
Tenho escolha? NAO!
Então, bora aceitar." Colostomizei

Congresso marca eventos do 2º aniversário da ALEMDII

Na quinta-feira, 16, a Associação do Leste Mineiro de Portadores de Doenças Inflamatórias Intestinais (ALEMDII) estará iniciando os eventos em comemoração ao segundo aniversário de fundação da entidade, que se estenderão até o sábado, 18/11, com a realização do 2º Congresso do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais, que acontecerá no salão de eventos do Vind’s Hotel, localizado na Rua João Pinheiro, 48, centro de Caratinga.

Programação

Para o dia 16, data em que é comemorado o “Dia Nacional dos Ostomizados” e coincide com a data de aniversário da ALEMDII, a partir das 19 horas, no Casarão das Artes, acontecerá a palestra “Vivendo bem com a Ostomia”, ministrada pela enfermeira Alessandra Vitoriano De Castro, autora do livro “Registros de uma CROHNista”.

Na sexta-feira, 17/11, de 09 às 12 horas, no Calçadão da Rua Miguel de Castro, no centro de Caratinga, com o objetivo de alertar e informar a população quanto aos principais sintomas das Doenças Inflamatórias Intestinais (DIIs), será instalada a “Tenda Conhecendo as DIIs”, atividade do projeto ALEMDII Itinerante, quando serão distribuídos folders, panfletos e outros materiais informativos.




Para o sábado, a partir de 08 horas da manhã, no Hotel Vind’s, está programado o 2º Congresso do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais, sob o tema “DIIs – Do Diagnóstico à Remissão”, tendo como público alvo portadores de DIIs, familiares, profissionais e estudantes da área da saúde - Medicina, Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia e Farmácia.

Após a abertura do evento, a ALEMDII apresentará um painel mostrando as conquistas e as atividades desenvolvidas pela instituição durante o ano. Na sequência, a Drª Maria das Graças Pimenta Sanna, médica gastroenterologista de Belo Horizonte, estará apresentando a palestra “Doença de Crohn X RCU, Aspectos relevantes, métodos de acompanhamento e diagnóstico”, quando será dada a oportunidade dos participantes tirarem suas dúvidas sobre o tema.

No período da tarde, a programação será retomada com a ministração da palestra “Aceitação ou resiliência?”, tendo como palestrante o psicólogo Ridley Antônio de Vasconcelos.

Dando sequência ao ciclo de palestras, Robson Alves da Silveira falará sobre o tema “Direitos dos portadores “. Logo após, a farmacêutica Alessandra de Souza, do Rio de Janeiro, discorrerá sobre “Medicamentos Biotecnológicos”. Em seguida, acontecerá a palestra “Acolhimento e humanização na adesão ao tratamento”, proferida pela enfermeira Alessandra Vitoriano de Castro, de Belo Horizonte.

Acontecerá, ainda, o “Depoimento de Superação”, quando Kamilla Rúbia Fernandes, paciente com Retocolite Ulcerativa, falará sobre sua emocionante história de superação.

Antes do encerramento e entrega dos certificados aos participantes, será feita uma homenagem a Marco Antônio Barreto, portador da Doença de Crohn, que motivou a transformação da ALEMDII, que inicialmente seria uma entidade municipal, em uma instituição em âmbito regional, falecido neste ano.

Atividades 2017

Entre as muitas atividades desenvolvidas e eventos dos quais a ALEMDII participou, Júlia Gonçalves Araújo Assis, sua fundadora e presidente, destaca alguns, que abriram ainda mais os horizontes da entidade, que atua de forma independente, ainda não filiada a nenhum órgão de âmbito regional, estadual ou nacional.

Júlia considera o “Oscar da ALEMDII”, a participação no fórum “Entendendo a Incorporação de tecnologias em saúde”, promovido pelo Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde do Ministério da Saúde (DGITS/SCTIE/MS), em parceria com o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, realizado nos dias 19 e 20 de outubro de 2017, no Hotel Transamérica Prime International Plaza, em São Paulo.

Durante o fórum, pela primeira vez, associações e representantes de pacientes puderam conversar com membros da Secretaria-Executiva da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) sobre a participação social no processo de gestão e incorporação de tecnologias em saúde no SUS.

Ainda em outubro, no dia 23, Júlia esteve novamente em São Paulo, participando da reunião “Plano de Longo Prazo Sem Números” com toda a equipe de gastroenterologia da AbbVie Brasil, um dos mais conceituados e respeitados laboratórios de pesquisa e produção de medicamentos da América Latina. 
“Na oportunidade, eu pude compartilhar minha experiência como portadora da Doença de Crohn, desde os primeiros sintomas, busca do especialista e diagnóstico e tratamentos. Segundo eles, meu depoimento contribuirá para o desenvolvimento de novas pesquisas e tecnologias de tratamento das DIIs”.

Júlia também destaca sua participação no 12º Fórum Alianza Latina, realizado nos dias 26 e 27 de outubro, no Rio de Janeiro. Durante o evento, ela foi entrevistada, visando sua filiação à Alianza Latina, entidade formada em 2006, que reúne mais de 100 associações de 20 países, sendo 17 deles na América Latina e, ainda, Estados Unidos, Espanha e Portugal. No momento, ela aguarda o resultado do pedido de filiação da ALEMDII.

Antes disso, Alessandra de Souza, participou, representando a ALEMDII, do V Encontro Ibero-Americano de Doenças Raras ou Pouco Frequentes, realizado nos dias 23, 24 e 25 de outubro, também no Rio de Janeiro.

Fonte: Jornal A Semana Caratinga

Cinco dicas para economizar na compra de medicamentos

45% da população adulta têm algum tipo de doença crônica e necessita de remédio de uso contínuo
Somente em 2017, os remédios já ficaram, em média, 4,76% mais caros. Com reajustes acima da inflação, o custo destes produtos pesa cada vez mais sobre o orçamento doméstico e prejudica quem depende de medicamento contínuo e não pode custear as despesas.
Pensando nisso, a PROTESTE, Associação de Consumidores, reuniu cinco dicas importantes para economizar na compra de remédios de uso contínuo ou mesmo eventual. A associação chegou à conclusão que os preços costumam ser mais atraentes em farmácias pertencentes a uma grande rede, se comparados aos das pequenas farmácias de bairro. Mesmo assim, vale sempre fazer uma boa pesquisa e seguir as indicações da Proteste a seguir:
1. Pesquise bem os preços usando a internet e uma ida às principais farmácias próximas ao trabalho e à residência. Informe ao farmacêutico quando encontrar um produto mais barato no estabelecimento concorrente. Como a farmácia quer conquistar e fidelizar o cliente, há estratégias para conceder o desconto cobrindo o preço da concorrência.
2. Outra forma de poupar é pedir ao médico que, na receita, seja colocado o princípio ativo do remédio, e não o nome comercial. Levar a receita com o princípio ativo, facilita para que o farmacêutico, ou o atendente, ofereça opções fabricadas por diversos laboratórios, e, consequentemente, com valores variados. A diferença de preço de um remédio com o mesmo princípio ativo fabricado por laboratórios distintos chega a variar de 10% a 15%.
3. Verifique se na farmácia escolhida há alguma forma de desconto adicional por meio de programas de fidelidade, ou mediante o fornecimento do CPF e CRM do Médico. Geralmente medicamentos de uso contínuo tem preços mais vantajosos, e vale a pena fazer parte desses programas das próprias redes.
4. Além da pesquisa, existe o programa Farmácia Popular, que oferece remédios aos brasileiros com preços até 90% mais baixos. Vale destacar que não é necessário comprovar renda ou ter utilizado o Sistema Único de Saúde (SUS) para recorrer ao programa. Basta ir a uma farmácia credenciada, apresentar a receita médica e um documento com foto. Remédios de uso contínuo, fórmulas amplamente conhecidas e fabricadas por diversos laboratórios e medicamentos usados para tratar pressão alta, diabetes, anticoncepcionais e antialérgicos contam com grandes descontos por meio do programa.
5. O Ministério da Saúde disponibiliza remédios gratuitos para diversas doenças nas unidades básicas de saúde (UBS) e muitas prefeituras contam com postos de saúde que usam o mesmo sistema. Nesse caso, também só é necessário apresentar documento e receita médica para retirá-los.

Medicamento Para Doença de Crohn é Liberado Pela ANVISA

Aos 30 anos, X. se aposentou por invalidez. Ainda cheio de planos, viu sua vida parar por conta de uma doença que lhe tirou a liberdade e a qualidade de vida. Foram cerca de oito meses de sangramentos e dores fortes até que chegaram ao diagnóstico: ele tinha doença de Crohn, uma doença inflamatória séria do trato gastrointestinal. Mas se a falta de informação leva boa parte dos pacientes a um longo calvário até a descoberta da causa dos episódios de diarreia, cólica, febre e sangramento retal, as poucas opções terapêuticas tornam o tratamento um desafio. 
Uma boa noticia é a chegada ao Brasil de um novo medicamento biológico, com um diferente mecanismo de ação, ampliando as armas hoje disponíveis para controlar a doença.



Ustequinumabe (Stelara)
Aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o ustequinumabe é indicado para pacientes que apresentam a doença de forma moderada a grave e que falharam ou foram intolerantes ao uso de corticoides, imunossupressores (reduzem a atividade do sistema de defesa do corpo) ou de outros medicamentos biológicos anti-TNFs (anti fator de necrose tumoral), que bloqueiam um dos estágios do processo que provoca a inflamação.
O medicamento, que já e usado no Brasil para o tratamento de psoríase em placa e artrite psoriásica e, agora, está liberado para Crohn, interrompe a inflamação em um ponto diferente da resposta imunológica. Estudos clínicos do medicamento, que envolveram mais de 1.300 pacientes em diversos países, incluindo o Brasil, mostraram que a maioria dos pacientes tratados com ustequinumabe manteve a resposta ao tratamento e obtiveram a remissão da doença (sem sintomas) por até dois anos. Outra ponto positivo verificado nos estudos foi a resposta rápida. A droga tem o nome comercial Stelara e, segundo o laboratório Janssen, fabricante do remédio, a previsão é de que esteja disponível no mercado em dezembro.
De acordo com a gastroenterologista Cristina Flores, do Hospital das Clínicas de Porto Alegre - um dos sete centros brasileiros que participou do ensaio clínico do medicamento com pacientes com doença de Crohn - a resposta ao tratamento já pôde ser observada na terceira semana após a primeira aplicação. E, para quem sofre com dores, diarreias e sangramentos, esse resultado é animador.
- Com essa doença, vivo a base de remédios e dieta. Eu fico trancado em casa, porque tenho medo de sair e precisar ir ao banheiro - conta X, de 36 anos, morador de São Gonçalo.
A doença de Crohn é uma doença inflamatória crônica que pode atingir qualquer parte do trato gastrointestinal. Os sintomas podem variar, mas geralmente incluem dor e sensibilidade abdominal, sangramento retal, perda de peso, febre e diarreia frequente - em alguns casos, por mais de 20 vezes ao dia.
A doença não tem cura. O tratamento busca controlar a inflamação e proporcionar a cicatrizacão da mucosa do intestino. Não se sabe a causa dessa doença autoimune.
A ação do ustequinumabe para pacientes com Crohn foi apresentada a um grupo de cerca de 50 médicos brasileiros, nesta quinta-feira, durante um seminário em Orlando, na Florida. O evento aconteceu durante o congresso AIBD 2017 - Advances in Inflamatory Borel Diseses, que abordou tratamentos multidisciplinares para pacientes com doenças inflamatórias intestinais.
* A jornalista Flávia Junqueira viajou para Orlando a convite do laboratório Janssen
Fonte: Extra

Medicamentos e insumos básicos estão em falta na rede municipal de saúde do Rio de Janeiro

Medicamentos e insumos básicos estão em falta na rede municipal de saúde do Rio de Janeiro.

Sem medicamentos, insumos básicos e salários atrasados. 

No último dia 26, o Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro declarou, por meio de nota, que a categoria entraria em greve. A paralisação foi decidida após uma assembleia que reuniu 240 trabalhadores que votaram de forma unânime. 

Renato Santos é médico de família da rede municipal e organiza o movimento Rede de Médicos e Médicas Populares. Em entrevista à Radioagência Brasil de Fato, Santos explicou que a situação na rede municipal de saúde piorou a partir de agosto e que, apesar da Prefeitura ter recuado em algumas medidas, como o fechamento das clinicas da família, o quadro se agravou.
 
“Desde agosto começou uma situação mais complexa quando a Prefeitura anunciou, de forma não oficial, que fecharia 11 clinicas numa região aqui no Rio e isso repercutiu de forma bem negativa e também foi um sinal de alerta sobre o que vem a ser a situação atual da saúde no município do Rio. Teve uma forte mobilização dos trabalhadores, houve uma mobilização que vem a ser denominada "Nenhum serviço de saúde a menos". Porém, apesar da Prefeitura recuar na proposta, os atrasos pioraram e nós estamos numa situação em que 80% das medicações e insumos para as clínicas da família estão em falta”, explicou. 

Os profissionais da saúde têm tentado driblar a precariedade de funcionamento das unidades para atender os pacientes. Valeska Antunes é médica de família e comunidade e há seis anos atua em uma das sete equipes que atendem especificamente pessoas em situação de rua na cidade. Segundo ela, nesses casos o quadro é de desespero. 

“Se estamos com 17% de abastecimento nas farmácias e essas pessoas estão em situação de rua, você imagina o que acontece quando tem uma medicação para passar. Eles não têm condição de ter outra opção”, destaca. 

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Município para saber quais medidas estão sendo tomadas para regularizar o abastecimento de medicamentos e também os salários atrasados dos profissionais. A assessoria de imprensa informou que foi aberto um crédito suplementar no valor de R$ 25.716.802,97, que já está sendo utilizado para a compra de material e remédios para as unidades. Com relação aos salários, a assessoria afirmou que R$ 36,4 milhões estão sendo repassados para as Organizações Sociais para regularizar os vencimentos atrasados. 

Nesta sexta-feira 10/11/17, os profissionais da saúde terão uma reunião com a Secretaria de Saúde e, simultaneamente, realizarão um ato em frente à Prefeitura a partir de uma da tarde. Depois do ato, os trabalhadores seguem para integrar a manifestação do Dia Nacional de Protestos que ocorre a partir das 4 da tarde na Igreja da Candelária, no Centro. 

Esta é a realidade dos profissionais da saúde que trabalham nas 227 unidades de Atenção Primária da Prefeitura do Rio de Janeiro, o que inclui clínicas da família e postos de saúde. O quadro que ocorre no município se integra a situação de calamidade pública que já ocorria no setor estadual da saúde. 

Fonte: Vermelho

Frigorífico portátil para o transporte de medicamentos

A startup francesa Lifeina, que pretende ser líder mundial no transporte e armazenamento de medicação, venceu o concurso para estas empresas em fase inicial na conferência de tecnologia Web Summit, em Lisboa, foi hoje divulgado.
O anúncio foi feito pela presidente do júri do ‘pitch’ (breve apresentação de uma empresa de três a cinco minutos), Daniela Gerd tom Markotten, no palco central do evento, na Altice Arena.
Além de Daniela Gerd tom Markotten, compunham o júri os empresários Tom Hulme e Lydia Jett, sendo que este veredicto contou 75% para a decisão final.
Acompanhada em palco pelo fundador do evento, Paddy Cosgrave, Daniela Gerd tom Markotten disse que a decisão do júri segue “completamente em linha” com a dos participantes do evento (que pesou 25%), manifestada através de uma sondagem na aplicação móvel da Web Summit. “Este ano tivemos um quarto membro no júri, vocês”, afirmou Paddy Cosgrave, dirigindo-se à audiência.
Na votação, 52% dos mais de 2.000 participantes escolheram a Lifeina como favorita, em detrimento das ‘startups’ Jauntin, que aposta em seguros à distância, e Watr, que visa a monitorização da qualidade da água da torneira.

Por seu lado, a Lifeina criou um frigorífico portátil para o transporte de medicamentos a temperaturas que variam entre os dois e oito graus centígrados. O patrocinador do ‘pitch’ é a Mercedes Benz, que garante a esta ‘startup’ vencedora um prémio de 50 mil euros e o acesso ao programa de incubação promovido pelo fabricante alemão de automóveis.
Quando subiu ao palco para receber o prémio, o fundador e presidente executivo da Lifeina, Uwe Diegel, disse “sonhar com um mundo em que Donald Trump não era Presidente dos Estados Unidos e no qual há paz”.
A analogia serviu para Uwe Diegel afirmar que “ter um sonho é fácil, toda a gente tem, [mas] concretizá-lo não é o mesmo”.
“E eu não conseguia cumprir o meu sem a minha equipe”, adiantou. A Web Summit, que decorreu desde segunda-feira no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), termina hoje.

Segundo a organização da Web Summit, nesta segunda edição do evento em Portugal, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas. A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Fonte: Banco da Saúde

Comitiva do ES conhece experiência do Paraná em consórcio de medicamentos

Uma comitiva do Estado do Espírito Santo esteve nesta quinta-feira (9/11/17) em Curitiba para conhecer a experiência do Paraná em aquisição centralizada de medicamentos através do Consórcio Paraná Saúde. O objetivo do encontro foi conhecer a estrutura operacional envolvida na aquisição e distribuição de medicamentos da assistência farmacêutica básica aos municípios paranaenses.

“Há 18 anos o Paraná inovou ao criar um consórcio para gerenciar a área de medicamentos que, atualmente, atende a 397 municípios. Essa experiência tem sido modelo para diversos estados e é motivo de orgulho para todos os envolvidos”, disse a diretora do departamento de assistência farmacêutica da Secretaria de Estado da Saúde, Deise Pontarolli.


Os recursos para a aquisição centralizada de medicamentos são provenientes do Estado, dos municípios consorciados e da fonte federal. A logística de distribuição é feita através das 22 Regionais de Saúde.


O secretário de Saúde de Viana, município da grande Espírito Santo, Luiz Carlos Reblin, disse que ficou impressionado com os resultados alcançados no Paraná.


“As questões que mais chamaram atenção dizem respeito a uma redução média de trinta por cento no custo de aquisição dos medicamentos e principalmente a garantia da entrega dos mesmos em tempo hábil para as necessidades dos usuários. Agradecemos a atenção que nos foi dispensada pelos profissionais envolvidos em todo processo”, destacou Reblin. 


Consórcio Paraná Saúde e comitiva ESO secretário executivo do Consórcio Paraná Saúde, Carlos Setti, já havia viajado ao Espírito Santo para apresentar as características da iniciativa paranaense. Nesta tarde, Setti pôde detalhar qual a estrutura operacional envolvida no processo do consórcio.

A visita da comitiva capixaba foi articulada pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (Cosems-Pr). O grupo de 10 pessoas, composto por dois secretários municipais da saúde, cinco prefeitos, duas farmacêuticas do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do ES e pela coordenadora da Assistência Farmacêutica daquele estado, foram recepcionados na 2ª Regional de Saúde, Metropolitana de Curitiba, pelo diretor, Guilherme Graziani, e na parte da tarde visitaram a sede do consórcio.


Fonte: Secretaria de Sáude do Paraná

Compra Compartilhada de Medicamentos

Maranhão e mais quatro estados debatem compra compartilhada de medicamentos

Os governos do Maranhão, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins debateram políticas públicas de Saúde nessa quinta-feira (9/11/17), durante reunião da Câmara Técnica da Saúde do Fórum Brasil Central, promovida no Palácio dos Leões, em São Luís.

Entre os assuntos discutidos, houve destaque para a proposta de compra compartilhada de medicamentos entre os Estados integrantes do Consórcio Brasil Central e a criação de um mercado comum para alavancar as exportações.

De acordo com a Câmara de Saúde, serão adotados 131 medicamentos isentos de tributação que estão na portaria do Ministério da Saúde e do Conselho de Secretários de Fazenda. Com isso, não haverá competição tributária entre os estados que integram o consórcio, o que beneficiará o atendimento à população.
Participaram do encontro, secretários e servidores de Saúde dos Estados consorciados. Entre eles, o secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula, a subsecretária de Estado da Saúde, Karla Trindade, e os representantes da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh) Ana Paula Oliveira e Alessandro Carvalho.

Carlos Lula enfatizou o objetivo do encontro e o papel da articulação federativa no Brasil. “É um pontapé inicial. Dando certo, outros estados copiarão o modelo dessa articulação entre os estados. Compraremos mais medicamentos a menor custo. Isso é eficiência”, avaliou.

O coordenador do consórcio e secretário de Saúde do Tocantins, Marcos Musafir, falou sobre os próximos passos do projeto: “Nós vamos levar essa documentação legal aprovada por nós durante o 6º Fórum Brasil Central para as procuradorias estaduais analisarem, além de incluir a aprovação destes termos para imediata aquisição destes medicamentos”.

A próxima edição do Fórum Brasil Central está prevista para ser realizada nos dias 4 e 5 de dezembro, em Brasília (DF). Nesta etapa, serão definidos os termos do mercado comum e haverá a continuidade das discussões.

Fórum Brasil Central

Diante do cenário de globalização de mercados produtivos, a concorrência para atrair e receber investimentos e avançar no desenvolvimento competitivo e duradouro, gerando emprego e renda, exige iniciativas inovadoras e acertadas entre os entes da Federação.

Nesse sentido, a criação do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central, criado pelos Estados de Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Tocantins e o Distrito Federal visa promover o desenvolvimento regional, aumentando a produtividade e atratividade da economia da região.

2º Congresso do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais

🔊 PROGRAMAÇÃO DO CONGRESSO:

  • 08:00 hs – Credenciamento
  • 09:00hs -Abertura
  • 09:30hs Doença de Crohn X RCU, Aspectos relevantes, métodos de acompanhamento e diagnóstico. Palestrante: Drª Maria das Graças Pimenta Sanna - Médica Gastroenterologista - Belo Horizonte/MG.
  • 11:00 hs: Dúvidas
  • 11:30 hs Foto oficial do evento
  • 🍽11:45 hs ALMOÇO
  • 13:00hs Aceitação ou resiliência? Palestrante: Ridley Antônio de Vasconcelos – Psicólogo – Caratinga/MG
  • 13:30hs Direitos dos portadores - Palestrante: Robson Alves da Silveira Advogado Caratinga/MG
  • 14:00hs Medicamentos Biotecnológicos - Palestrante: Alessandra de Souza – Farmacêutica – Rio de Janeiro/RJ

  • 14:30hs Acolhimento e Humanização na Adesão ao Tratamento - Palestrante: Alessandra Vitoriano de Castro – Enfermeira Belo Horizonte
  • ☕15:00hs Cofeebreak
  • 15:300hs Depoimento de Superação - Palestrante: Kamilla Rúbia Fernandes – Paciente com Retocolite Ulcerativa - Coronel Fabriciano/MG
  • 16:00hs homenagem ao Marco Antônio Barreto (Portador da Doença de Crohn que motivou a formação da ALEMDII no Leste Mineiro)- Governador Valadares/MG
  • 16:30hs Perguntas e debate - 17:00hs Encerramento e entrega dos certificados

INSCRIÇÕES PARA O CONGRESSO SÃO GRATUITAS NO LINK: https://goo.gl/eaZMCf

ALEMDII Promove Evento em Alusão ao Dia Nacional dos Ostomizados

16/11/2017 – 19:00 às 21:30 Hs – Evento em Alusão ao Dia Nacional dos Ostomizados

Palestra: “Vivendo bem com a Ostomia” - Palestrante: Alessandra Vitoriano De Castro, Enfermeira, autora do livro "Registros de Uma Crohnista" e ostomizada.

Local: Casarão das Artes - Rua João Pinheiro 154, Caratinga/MG

2 Anos da ALEMDII - Associação do Leste Mineiro de Portadores de Doenças Inflamatórias Intestinais

No dia 16 de novembro a ALEMDII - Associação do Leste Mineiro de Portadores de Doenças Inflamat´roias Intestinais - completa 2 anos de muito trabalho e para comemorar, serão realizados eventos em Caratinga/Mg (cede da associação) e em Manhuaçu.

Foram programadas uma série de ações que visam a divulgação das Doenças Inflamatórias Intestinais (doença de Crohn e retocolite ulcerativa), ajudar o paciente a conviver com uma doença crônica de forma mais tranquila e com otimismo, estimular a interação entre as pessoas com DII e levar conhecimentos básicos das DIIs aos pacientes e/ou familiares, profissionais e estudantes dos cursos da área da Saúde.


Olhem só a programação bacana para os 2 anos da ALEMDII:

11/11/17 - 14h: Reunião com Portadores de DII e Familiares 
Palestra: A importânca do Apoio Psicossocial dos Familiares e Portadores de DII - Psicólogo Ridley Vasconcelos.
Local: Câmara Municipal de Manhuaçu - Av Elói Werner, 141, Centro.

16/11/2017 – 19:00 às 21:30 Hs – Evento em Alusão ao Dia Nacional dos Ostomizados
Palestra: “Vivendo bem com a Ostomia” - Palestrante: Alessandra Vitoriano De Castro, Enfermeira, autora do livro "Registros de Uma Crohnista" e ostomizada.
Local: Casarão das Artes - Rua João Pinheiro 154, Caratinga/MG

17/11/2017 – 09:00 às 12:00 Hs: “Tenda conhecendo as DIIs” - Projeto ALEMDII Itinerante em Caratinga
Haverá um estande em área central do município de Caratinga com orientações e panfletagem de material informativo sobre os principais sintomas das DIIs, como forma de ampliação do conhecimento de toda a população e alerta sobre as doenças e a necessidade de procurar o médico para o diagnóstico precoce.

18/11/2017 – 08:00 às 12:00 Hs e 13:30 às 17:00HS

Segundo Congresso do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais

Tema: “DIIs - DO DIAGNÓSTICO À REMISSÃO.”

Pacientes e familiares poderão entender melhor as DIIs em seus vários aspectos com uma abordagem acessível e atual realizado por renomados profissionais especialistas em DII.

O congresso tem caráter multiprofissional, voltado aos profissionais e estudantes da saúde, pacientes de Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa e seus familiares.

É um evento promovido pela ALEMDII como parte das comemorações do seu segundo aniversário, gratuito e com a entrega de certificado de participação. Participem! Estarei lá prestigiando e como palestrante falando sobre os medicamentos biológicos e biossimilares.

🔊 PROGRAMAÇÃO DO CONGRESSO:

  • 08:00 hs – Credenciamento
  • 09:00hs -Abertura
  • 09:30hs Doença de Crohn X RCU, Aspectos relevantes, métodos de acompanhamento e diagnóstico. Palestrante: Drª Maria das Graças Pimenta Sanna - Médica Gastroenterologista - Belo Horizonte/MG.
  • 11:00 hs: Dúvidas
  • 11:30 hs Foto oficial do evento
  • 🍽11:45 hs ALMOÇO
  • 13:00hs Aceitação ou resiliência? Palestrante: Ridley Antônio de Vasconcelos – Psicólogo – Caratinga/MG
  • 13:30hs Direitos dos portadores - Palestrante: Robson Alves da Silveira Advogado Caratinga/MG
  • 14:00hs Medicamentos Biotecnológicos - Palestrante: Alessandra de Souza – Farmacêutica – Rio de Janeiro/RJ
  • 14:30hs Acolhimento e Humanização na Adesão ao Tratamento - Palestrante: Alessandra Vitoriano de Castro – Enfermeira Belo Horizonte
  • ☕15:00hs Cofeebreak
  • 15:300hs Depoimento de Superação - Palestrante: Kamilla Rúbia Fernandes – Paciente com Retocolite Ulcerativa - Coronel Fabriciano/MG
  • 16:00hs homenagem ao Marco Antônio Barreto (Portador da Doença de Crohn que motivou a formação da ALEMDII no Leste Mineiro)- Governador Valadares/MG
  • 16:30hs Perguntas e debate - 17:00hs Encerramento e entrega dos certificados

INSCRIÇÕES PARA O CONGRESSO SÃO GRATUITAS NO LINK: https://goo.gl/eaZMCf

Tecnologia é capaz de detectar 17 doenças pela respiração

Dispositivo desenvolvido por pesquisadores de Israel identificou doenças, como Parkinson e cânceres com 86% de precisão
Uma tecnologia experimental que vem sido desenvolvida desde 2017 mostrou-se capaz de identificar a composição química da respiração de uma pessoa por meio de uma baforada e, com isso, rastrear 17 doenças. O feito foi divulgado por pesquisadores do Instituto Technion, de Israel.
O mecanismo de ação se dá pelo fato de a tecnologia chamada de ‘Na-Nose’, utilizar nano-raios para analisar a respiração. Assim, de acordo com os primeiros estudos, tornou-se capaz de identificar com 86% de precisão doenças como de Parkinson, vários tipos de câncer, insuficiência renal, esclerose múltipla e doença de Crohn (doença inflamatória do trato gastrointestinal).

Doenças Inflamatórias Intestinais e Cigarro Não combinam

DII e cigarro não combinam! 

@Regranned from @crohnterapia - O tabagismo é considerado o melhor exemplo da influência do fator ambiental no desenvolvimento da DC. O consumo de tabaco aumenta o risco de desenvolver DC, as complicações como estenoses ou fístulas, a frequência dos surtos da doença, a necessidade de cirurgia e consumo de corticóides e imunossupressores. (KOTZE L, KOTZE PG e KOTZE LR, 2011).
Retirado do texto: KOTZE LMS; KOTZE PG; KOTZE LR. Doença de Crohn. In: DANI R; PASSOS MCF. Gastroenterologia Essencial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. p. 347-379. 

ALEMDII Itinerante em Manhuaçu

Compartilhando evento lindo que faz parte das comemorações de #2AnosALEMDII👏👏👏

Ah gente! A #ALEMDII - Associação do Leste Mineiro de Portadores de Doenças Inflamatórias Intestinais - é a coisa mais linda de ver! Trabalho sensacional buscando abraçar mais pessoas envolvidas com as DII. O coração dessa família é gigante e sempre aberto para o acolhimento de mais pacientes Afinal, o que seria de uma associação de pacientes se o seu foco não for o paciente . PARABÉNS ALEMDII! Orgulho fazer parte dessa história, dessa família 
🔊ATENÇÃO PESSOAS COM DOENÇA DE CROHN OU RETOCOLITE ULCERATIVA DE MANHUAÇU E REGIÃO!!!

📌Agora é a vez da região de Manhuaçu!

Venha conhecer a nossa tenda DII das 09:00 às 12:00hs na Praça Cordovil Pinto Coelho, em Manhuaçu. E às 14:00 hs palestra "A importância do apoio psicossocial dos familiares e portadores de DII" Com o psicólogo Ridley Vasconcelos, no plenário da Câmara Municipal de Manhuaçu, Av. Elói Verner, 121, Centro de Manhuaçu.



Evento GRATUITO e aberto a todos os amigos, familiares e portadores de Doenças Inflamatórias Intestinais.

Link do evento no Facebook: www.facebook.com/events/366136820523041/

1º FÓRUM DE OSTOMIA ACO & ABRASO REGIÃO SUL

Nessa quinta-feira acontecerá esse grandioso evento repleto de atrações voltadas para as pessoas ostomizadas do de Itajaí/SC.

Serão palestras, desfiles de moda inclusiva, apresentações de profissionais da área da saúde e muito mais!


Lembrando que a entrada é gratuita!


DATA: 09/11/2017 (QUINTA-FEIRA)Horário: 8:30 às 16h20min.Endereço: Câmara de Vereadores, Av. Ver. Abrahão João Francisco, 3825 - Ressacada, Itajaí - SC, 88307-303



Como manter a calma

Aaah! Agora ficou mais fácil  #soquenao 😞
O equilíbrio é fundamental nesses momentos. Não podemos ficar engolindo sapo mas também não podemos sair falando tudo que pensamos e magoar as pessoas.

Os filhos do quarto

Os filhos do quarto
Antes perdíamos filhos nos rios, nos matos, nos mares, hoje temos perdido eles dentro do quarto!
Quando brincavam nos quintais ouvíamos suas vozes, escutávamos suas fantasias e ao ouvi-los, mesmo a distância, sabíamos o que se passava em suas mentes.
Quando entravam em casa não existia uma TV em cada quarto, nem dispositivos eletrônicos em suas mãos.
Hoje não escutamos suas vozes, não ouvimos seus pensamentos e fantasias, as crianças estão ali, dentro de seus quartos, e por isso pensamos estarem em segurança. Quanta imaturidade a nossa.
Agora ficam com seus fones de ouvido, trancados em seus mundos, construindo seus saberes sem que saibamos o que é... Perdem literalmente a vida, ainda vivos em corpos, mas mortos em seus relacionamentos com seus pais, fechados num mundo global de tanta informação e estímulos, de modismos passageiros, que em nada contribuem para formação de crianças seguras e fortes para tomarem decisões moralmente corretas e de acordo com seus valores familiares.
Dentro de seus quartos perdemos os filhos pois não sabem nem mais quem são ou o que pensam suas famílias, já estão mortos de sua identidade familiar... Se tornam uma mistura de tudo aquilo pelo qual eles tem sido influenciados e pais nem sempre já sabem o que seus filhos são.
Você hoje pode ler esse texto e amar, mandar para os amigos. 
Pode enxergar nele verdades e refletir. Tudo isso será excelente. Mas como Psicopedagoga tenho visto tantas famílias doentes com filhos mortos dentro do quarto, então faço você um convite e, por favor aceite!
Convido você a tirar seu filho do quarto, do tablet, do celular, do computador, do fone de ouvido, convido você a comprar jogos de mesa, tabuleiros e ter filhos na sala, ao seu lado por no mínimo 2 dias estabelecidos na sua semana a noite (além do sábado e domingo).

Não se culpe

Não se culpe quando você se colocar em primeiro lugar. Quando deixamos constantemente de nos priorizar podemos nos sentir frustrados e esse sentimento é muito indigesto.

Seja feliz. Esse deve ser seu mantra. Você merece ser feliz e para isso, se anular, deixar suas vontades de lado pelos outros, não pode fazer parte da sua vida. Aprenda a se valorizar e você será muito feliz. 


Para ser feliz, você precisa aprender a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. 

Incidência das Doenças Inflamatórias Intestinais

https://www.nature.com/nrgastro/journal/v12/n12/full/nrgastro.2015.150.html?message-global=remove
As DII estão presentes em quase todo o mundo, com exceção de alguns países da África e da Ásia, talvez pelo fato de serem doenças de centros urbanos. Na última década, os países da América Latina apresentaram crescimento de 3 a 4 vezes no número de novos casos em relação à década anterior, com incidência maior de 75% e 117% em relação à colite e doença de Crohn, respectivamente. Um estudo de epidemiologia clínica de colite ulcerativa no México, realizado em período de 20 anos, mostrou que a média de novos casos aumentou anualmente de 28,8 para 76,1. Além disso, entre 1996 e 2003 apenas 12 pacientes foram diagnosticados com doença de Crohn, enquanto entre 2004 e 2011 esse número subiu para 46. 
“O rápido encaminhamento ao médico gastroenterologista favorece o tratamento e evita piores resultados. Já o profissional responsável deve ficar atento para manifestações extraintestinais, que podem aparecer em articulações, pele, olhos, rins e outros locais. Por isso, alguns exames são essenciais para o diagnóstico, como endoscopia, histologia, radiografia, exames físicos e laboratoriais, além do curso clínico dos sintomas”, pontua DR. Jesús Kazuo Yamamoto Furusho, presidente da PANCCO.

Segundo o médico Mark Silverberg, professor doutor da Universidade de Toronto, no Canadá, a tendência é o aumento rápido de DII a partir do momento em que a região se desenvolve. “No Canadá, 250 mil pessoas têm alguma doença inflamatória intestinal. A África, somente na última década, passou a registrar casos, por isso, é importante a divulgação sobre as possíveis causas e sintomas para diagnóstico e tratamento corretos”, enfatiza. 


No Brasil, surge um novo caso de DII por dia. Estudos realizados em São Paulo, Piauí, Chile e Buenos Aires mostram que a incidência de DII está aumentando em toda a América Latina. Outros países que estão mudando o padrão de comportamento também chamam a atenção pelos números: Hong Kong e Coreia do Sul apresentaram aumento de DII, principalmente em relação à doença de Crohn, que foi de 150%, contra 136% na colite ulcerativa. Observamos também que os pacientes vivenciam a doença em três níveis: inflamatória, estenosante – quando há o estreitamento intestinal – e fistulizante, com fístulas ou abscessos”, explica o médico Jesús K. Yamamoto-Furusho. De acordo com a PANCCO, entre as barreiras encontradas está o diagnóstico tardio na maioria dos pacientes, sendo de 5 a 8 anos para doença de Crohn e de 3 a 5 anos para colite ulcerativa. Além disso, 85% dos pacientes visitaram pelo menos três especialistas para chegar ao diagnóstico correto. Entre as consequências clínicas do atraso no diagnóstico estão baixa qualidade de vida, maior número de recaídas e maior risco para câncer, infecção e anemia. 

Como são doenças presentes em áreas do corpo pouco comentadas e têm sintomas desagradáveis, os pacientes não falam abertamente sobre o assunto e, com isso, sofrem forte impacto – principalmente os jovens –, reforçando a necessidade de acesso ao tratamento psicossocial. A boa notícia é que, atualmente, o tratamento evoluiu muito. Hoje, poucos pacientes usam bolsas, diminuiu o número de cirurgias e o tratamento com biológicos melhorou muito a qualidade de vida.