slider

I Encontro Farmale: Uma conversa sobre as Doenças Inflamatórias Intestinais com a Dra Giovana Zibetti
Keep fighting!
III Encontro Farmale: Ostomia e Doenças Inflamatórias Intestinais
I will beat IBD
Ali Jawad, paratleta do halterofilismo com doença de Crohn: Você é uma inspiração para todos nós!
II Encontro Farmale - Diagnóstico das Doenças Inflamatórias Intestinais: Investigação Endoscópica Palestrante: Dr Flavio Abby
Compartilhe conosco sua história

Doença de Crohn ou Retocolite?


Tanto a RCUI quanto a DC apresentam padrões endoscópicos que sugerem um ou outro diagnóstico, no entanto, alguns pacientes podem apresentar achados endoscópicos característicos de ambas as doenças, dificultando o diagnóstico preciso. Esta dúvida se limita aos pacientes com acometimento exclusivo do cólon, que não apresentam fístulas ou doença perianal. Nestes casos, é feito o diagnóstico de colite inflamatória indeterminada, que ocorre em aproximadamente 10 a 15% dos casos de DII. 

Fonte: Cabral MG, Abby F. Diagnóstico das doenças inflamatórias intestinais. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2012;11(4):17-21 - http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=349

Mudou a minha vida toda


Eu estava a mil na vida, trabalhando, estudando, namorando, só parava para dormir mesmo a noite, a cabeça cheia de planos um futuro certo... até que tudo mudou, dores... muitas e muitas dores, e tudo que vem junto, e a notícia, vc tem retocolite ulcerativa, é o que?????  Não tinha cura, não tem. Mudou a minha vida toda, fui internada, duas vezes, cheguei ao meu limite, e percebi que realmente tudo tinha mudado. Minha vida parou por 2 anos, eu não sabia mais o que fazer, como seria, e na verdade, ainda não sei... mas eu ainda estou aqui, ainda não é fácil, nem um pouco, medicações, exames... tudo isso é tão exaustivo... mas eu ainda estou aqui... e vou ficar. 

Aprendi que posso ser muito mais forte do que nunca imaginei... estou aqui....

Sou a Cah, tenho 29 anos, moro em Osasco, sou Assistente de Logística, tenho Retocolite Ulcerativa.

Conte a Sua História Também! Expressar tranquiliza-a-dor.

Compartilhe a sua história   Conte SuaHistória

Para ler os depoimentos clique   www.farmale.com.br/search/label/ConteSuaHistoria

Uso de remédio biológico biossimilar exige cautela, dizem médicos


A troca de medicamentos biológicos por biossimilares foi o tema da audiência pública promovida ontem pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS). O objetivo da audiência, realizada a pedido de Ana Amélia (PP-RS), foi discutir a possibilidade de trocar esses medicamentos de modo seguro e eficaz, a custo mais acessível para os pacientes.
Nos últimos 30 anos, os medicamentos biológicos revolucionaram o tratamento de câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla. Enquanto os medicamentos sintéticos são criados por manipulação de substâncias químicas em laboratório, os biológicos são produzidos a partir de células vivas e são mais frequentes na forma injetável.
Para os remédios sintéticos, existem cópias idênticas, conhecidas como genéricas, que podem ser automaticamente trocadas. Já as cópias dos produtos biológicos, chamadas biossimilares, não são totalmente idênticas. Devido à complexidade das moléculas e das doenças, os riscos asso-ciados a esses medicamentos são maiores. Por isso, a troca e até a substituição devem ser cuidadosamente estudadas.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deixou a decisão sobre a troca para os médicos e para o Minis-tério da Saúde. Gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Agência, Varley Sousa disse que a classificação de um medicamento como similar não o torna automaticamente cambiável.
Ele também lembrou que muitos países realizam consultas públicas sobre a aprovação de produtos biológicos novos. A agência reguladora norte-americana (FDA), por exemplo, não tem nenhum medicamento intercambiável.
Como são poucos os produ-tos biossimilares registrados, a Anvisa recomenda que, além de provas em laboratório, haja acompanhamento do paciente após troca ou substituição.
— É importante que haja um sistema de fármacovigilância que envolva médicos, pacientes, agência e empresas para notificação e identificação do perfil desses produtos, o quanto eles são similares.
Regulamentação
Representante da Associação Médica Brasileira (AMB), Valdair Pinto discordou do posicionamento da Anvisa. Segundo ele, em princípio, os biossimilares não são intercambiáveis e exigem provas clínicas adicionais para serem usados sem prejuízo do tratamento dos pacientes. Por isso, enfatizou a necessidade de regulamentação.
— O médico tem poder e autoridade para trocar a medicação de qualquer paciente, mas ele não tem poder nem autoridade para decidir que produto farmacêutico vai constar nas listas das instituições de saúde. Deixar por conta do Ministério da Saúde também não pode, porque ele está muito orientado para a questão econômica. A gente quer a regulamentação da intercambialidade — defendeu.
Conselheiro científico da Biored Brasil, Valderilio Azevedo entende que os médicos precisam ser esclarecidos:
— Todas as entidades apoiam a introdução de biossimilares no mercado, desde que haja regras muito claras e, para haver substituição automática, que essas cópias sejam no mínimo intercambiáveis.
Ivan Zimmermann, da Comissão de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (SUS), destacou a equação custo-efetividade, que é levada em conta na definição do recurso investido.
A comissão tem prazo de 180 dias para avaliar a nova tecnologia, buscar redução de custos e priorizar os pacientes mais graves.

Que toda dor vire flor

Para hoje, amanhã e todos dias, que todo mal vire amor e que toda dor vire flor.
Sempre buscando manter o pensamento positivo, sem deixar a #esperança ir embora, sem desistir de lutar. Respirar fundo, fechar os olhos, acalmar o pensamento e a vontade de resolver tudo ao mesmo tempo, a vontade que tudo se resolva para ontem... vai com calma... e quando bater o cansaço, descanse de verdade, pois se você não fizer pausas, não vai ter energia para continuar.
Estou escrevendo isso pensando sobre o rumo que as doenças inflamatórias intestinais seguem, para alguns o tratamento surte efeito logo, para outros nem tanto, mas não podemos deixar a ansiedade nos prejudicar mais ainda e não podemos desistir. Eu recebi o diagnóstico em 2003, depois de alguns anos recebendo diagnósticos e tratamentos errados, então a doença de Crohn que é estenosante em mim, foi seguindo seu curso de fechar a passagem no meu intestino e os médicos revertendo isso, até que um dia a emergência chegou e a parte tão castigada do meu intestino se foi. Foi e deixou a remissão que venho lutando pela sua permanência desde 2013. Sim, lutando... pois junto vieram a intolerância à lactose e a #espondiloartrite. Tem dieta e exercícios físicos, tem o exercício diário de controlar a ansiedade, aprender a lidar com o estresse... então, a luta continua e a esperança também.

Doença de Crohn, Ileíte e Enterite Regional

Os termos Doença de Crohn, Ileíte e Enterite Regional são a mesma coisa?

Ileíte significa inflamação do íleo, que é a porção distal (final) do intestino delgado. No ano de 1932, quando o Dr. Burril B. Crohn e seus colegas identificaram pela primeira vez a Ileíte como doença, eles a chamaram de Ileíte Regional. “Regional” significa simplesmente que nessa enfermidade há áreas doentes de intestino que se alternam com áreas sãs. O termo Enterite Regional foi empregado posteriormente para descrever essa inflamação, quando ela se apresenta em outras áreas intestinais, não somente no íleo. Atualmente sabemos que essa doença pode afetar também o cólon (intestino grosso), dando lugar a uma condição conhecida como “Colite Granulomatosa” (granuloma são lesões microscópicas que se encontram na parede intestinal de pacientes de doença de Crohn). 
Para evitar confusão, o nome Doença de Crohn pode ser usado para descrever a doença, qualquer que seja o lugar em que se apresente.

Estoma e as complicações

Fonte: www.mountnittany.org/articles/healthsheets/2614
A cada ano, milhares de pessoas necessitam construir um estoma. 
Qualquer que seja a razão, câncer, traumas, doenças inflamatórias, etc, a pessoa com estomia passa por transformações que interferem no seu dia a dia e por isso, apresentam muitas dúvidas, preocupações e dificuldades.
O estoma mudará nas primeiras semanas após a cirurgia em relação ao tamanho e características da eliminação das fezes e/ou urina. Além disso, pode haver também ganho ou perda de peso. A localização do estoma depende da parte do corpo que foi afetada. As Ileostomias e Colostomias estão relacionadas com o sistema digestório e saída de fezes, as Urostomias ao sistema urinário e saída de urina, portanto a localização no abdômen varia para cada indivíduo.
O paciente que se submete a cirurgia e torna-se um portador de estomia tem a possibilidade de desenvolver complicações a qualquer momento no pós-operatório, em decorrência de vários motivos, idade, alimentação, técnica cirúrgica inadequada, dificuldade no autocuidado, esforço físico excessivo, cicatrizes anteriores, dobras abdominais, obesidade e etc., que podem estar relacionadas com o estoma ou com a pele periestoma, sendo algumas mais frequentes no pós-operatório precoce e outras no pós-operatório tardio.
No pós-operatório precoce, cerca de até 7 dias após a cirurgia, destacam-se o edema (inchaço), a hemorragia (sangramento), a necrose (estoma preto, acinzentado) e o descolamento mucocutâneo (pontos se soltam da pele e estoma). Já no pós-operatório tardio ressalta-se o prolapso (saída da alça intestinal), a retração (afundamento da alça), a hérnia paracolostomal (abaulamento do abdômen ao redor do estoma) e as dermatites (irritações na pele periestoma) que podem ocorrer a qualquer momento da vida da pessoa com estomia.
O maior desafio está relacionado aos vazamentos. O contato de fezes e urina com a pele ao redor do estoma é a maior causa de irritações de pele. Uma vez que a pele torna-se irritada, o adesivo não se fixará adequadamente. Inicia-se então um ciclo vicioso de mais episódios de vazamento e irritações de pele.
É importante detectar a presença dessas complicações precocemente, conferindo sempre as condições do estoma, pele periestoma e o adesivo durante as trocas de equipamentos e procurar ajuda profissional quando necessário para que o melhor cuidado seja indicado.
Os adjuvantes são produtos desenvolvidos para solucionar essa variedade de complicações, sendo utilizados nessas ocasiões para prevenção ou para reforçar a aderência dos equipamentos coletores (bolsas) e proporcionar melhor adaptação e segurança. Eles consistem em pastas, tiras, pó, placas protetoras, cintos, fitas adesivas flexíveis de resina sintética, sendo a pasta um dos produtos mais utilizados. Todos são produzidos com produtos hidrocoloides, resinas amigáveis à pele e que absorvem o excesso de umidade.
A correção das irregularidades, vincos e depressões deve ser realizada com uso de tiras moldáveis ou pasta hidrocoloide, o que aumenta a adesividade entre a base e a pele, prevenindo assim os vazamentos e consequentes lesões.
O pó possui excelente capacidade de absorção de umidade, secreção e exsudatos, mantendo a pele seca e reduzindo a sua irritação, ideal para o tratamento das dermatites úmidas. As Placas Protetoras (quadradas) e Fitas Elásticas (em arco) são adesivos flexíveis, elásticos e macios que proporcionam proteção à pele ao redor do estoma, absorção de umidade, propriedades cicatrizantes e aumentam a área de adesividade e sensação de segurança.
Os cintos devem ser utilizados para auxiliar e melhorar a sustentação no abdome, garantindo segurança quando necessário e em associação ao uso de barreiras convexas no caso de estomas retraídos.
O uso dos adjuvantes é de suma importância para a boa adaptação da pessoa a sua condição atual, proporcionando o melhor cuidado, protegendo a pele, corrigindo as complicações e possibilitando o retorno às atividades do dia a dia, convívio social e trabalho com qualidade de vida.
Thais Salimbeni
Enfermeira Estomaterapeuta
Fonte: GAMEDII

Medicamentos do futuro

Os medicamentos do futuro deverão focar no paciente e ter mais disponibilidade de acesso. É o que defendeu o presidente da Roche Farma Brasil, Rolf Hoenger, no painel #MedicamentosdoAmanhã, realizado durante o Summit Saúde Brasil 2017, organizado pelo Estado.

“Lembro muito de um paciente que me falou: todos queremos não só viver, mas ter também as mesmas oportunidades de tratamento. Esse é um resumo do que a medicina deve ser no futuro”, ressalta. “Quando se pensa no futuro, falamos de personalização. E isso já é realidade. Você faz um teste, detecta mutações e consegue individualizar um tratamento. Se o paciente não tem informação, provavelmente vai chegar muito tarde na cadeia dos medicamentos, e aí não é possível prolongar sua vida com boa qualidade.”

Jorge Alves, da BMS, lembrou que a enorme quantidade de informações geradas hoje no setor da saúde poderá evitar desperdícios e fazer com que, cada vez mais, o paciente consiga usar exatamente a medicação que precisa. “A Big Data vai ajudar muito na definição do melhor tratamento, de forma a evitar desperdícios.”

Já a diretora médica da Sanofi, Luciana Giangrande, destacou que há hoje 7 mil moléculas em desenvolvimento e cerca de metade delas trazem algum mecanismo de ação inovador. Ela destacou a atuação do grupo em que atua nas #doençasraras. “Há hoje cerca de 7 mil doenças raras e só 5% têm tratamento disponível. A maioria têm cunho genético”.

Uma dos cuidados que essas mudanças devem ter, segundo Luciana Holtz​, do Oncoguia, é que novos remédios devem vir também com o maior acesso pela população. “A palavra-chave de tudo que estamos discutindo é o acesso. É preciso discutir o acesso ao exame, ao especialista, ao tratamento e à equipe multidisciplinar”. Ela destacou que, mesmo com a existência de uma lei que garante o acesso ao tratamento pelo SUS ao paciente com câncer dentro e 60 dias, há ainda uma disparidade. “Há necessidade de um esforço muito grande para que isso vire uma prática”.

Fonte: Isto é

Atestado Médico


Ao faltar ao trabalho por motivo de doença, o trabalhador deve apresentar atestado médico para receber a remuneração do dia abonado. E a empresa que recebe o atestado não pode descontar as horas ou o dia trabalhado. Para se precaver, o empregado deve ficar com uma cópia do documento. O atestado válido só pode ser recusado se contrariado por junta médica. Saiba mais: http://bit.ly/7duvidasatestado.

Pare de Controlar Tudo

#FicaADicaDaFarmale 😊😄😉
Pessoas! É isso! Simples assim. Vamos tirar esses pesos dos nossos ombros, no final do dia você se sentirá bem mais leve.
@Regrann from @umcartao - Não adianta e não faz bem. - #regrann

Doença de Crohn, atividade física e foco

"Precisamos buscar forças". 👏👏👏 Precisamos buscar forças para não desistir! Não deu hoje? Mas você tentou realmente? Bom, amanhã busque seu melhor e não desista. 🔝Acredite, esse cara da foto tem #DoençaDeCrohn 😉👍Mantenha o foco naquilo que te faz feliz, que traz saúde para o seu corpo e seus pensamentos. Nada melhor do que uma conquista, concordam? Não é porque a sua doença é crônica, sem cura que você não pode ter uma vida saudável. Está em crise? Foque na remissão e não desista 💪. Vocês são inspiração para mim! Cada perfil nesse Instagram com #DIIque eu acompanho, tem sempre muita vontade de viver FELIZ. Cada depoimento que recebo no blog www.farmale.com.br tem vivências que dão suporte para quem está perdido. 🙌Amigos! Vamos seguir juntos, compartilhando nossas vitórias e se as derrotas chegarem, vamos voltar com o foco na remissão com um apoiando o outro 💜.#juntossomosmaisfortes#doençasinflamatoriasintestinais#retocoliteulcerativa #Crohn #empoderarpacientes#farmaleempodera #farmaleachouotimismo#farmaleachoudii
@Regrann from @treinadormateus10 - As vezes não estamos tão dispostos, e precisamos buscar forças para finalizar aquilo que nos foi proposto a realizar 👉 treino feito!! Buscando melhorar a linha👊
Treinador Mateus
Cref/Pr 006069
Consultoria Esportiva
#muscle #hardtraining #MMII #shapehard#shapelifestyle #shapenovopadrão #lifestylegym#treinadormateus10 #bfbaixo #crhondisease#bodybuilding #crhonswarriors # #bodybuildercrohn#dieta #resultados #nutriDeboraMocelin#instamuscle - #regrann

Feliz Dia dos Pais


Feliz Dia Papais!

Para os pais com DII (Doença Inflamatória Intestinal) e para os pais de filhos com DII desejo que nunca falte esperança e força para seguir. Ser pai com DII não é facil também... além dos problemas que q doença causa, ainda tem que lidar com a preocupação em estar bem para trabalhar e para participar ativamente da criação dos filhos. E quando a doença está nos filhos, a preocupação é enorme também... é muito dolorido ver um filho sofrendo. Então Papais, que a vontade de vencer nunca termine e se fortaleça todos os dias! 

Desejo um Feliz Dia dos Pais repleto de amor e paz! 

Corticoides

Ele tem lá a sua parcela de culpa, mas precisamos aprender a nos adaptar a essa rotina e aos efeitos colaterais. O Nutricionista é o profissional fundamental para te ajudar nesse momento, para evitar o ganho de peso exagerado, controlar a fome e evitar que você seja mais prejudicado do que ajudado nesse momento. Fazer alguma terapia, procurar ajuda de um Psicólogo, Yoga, algo que lhe dê suporte e tranquilidade nesse momento, também será muito bom. 
Então, nada de usar "é culpa do corticoide" como justificativa para tudo.

O texto abaixo é longo, mas cheio de informação importante. ;-)

Os glicocorticoides, também chamados de corticoides ou corticosteroides, são drogas poderosas, derivadas do hormônio cortisol produzido pela glândula suprarrenal. Os corticoides são frequentemente usados como parte do tratamento de doenças de origem inflamatória, alérgica, imunológica e até contra alguns tipos de câncer.
Apesar de ser um medicamento muito eficaz contra várias doenças graves, os corticoides apresentam um grande defeito: um perfil muito extenso de efeitos colaterais, alguns deles graves, outros esteticamente indesejáveis. Quando usados de forma prolongada, os corticoides levam ao ganho de peso, podem causar estrias, provocam acne, enfraquecem os ossos, etc.
O cortisol é um hormônio de estresse. Ele recebe esse nome, pois sua produção eleva-se toda vez que o nosso organismo encontra-se sob estresse físico, como nos casos de traumatismos, infecções ou cirurgias. O cortisol aumenta a disponibilidade de glicose e energia, eleva a pressão arterial, aumenta o tônus cardíaco e prepara o organismo para sofrer e combater insultos.
🔴 TIPOS DE CORTICOIDES
Os glicocorticoides usados na prática médica são versões sintéticas, produzidas laboratorialmente, do hormônio natural cortisol. Existem várias formulações sintéticas de corticoides, as mais usadas são a prednisona, prednisolona, hidrocortisona, dexametasona, metilprednisolona e beclometasona (via inalatória).
Todos os corticoides sintéticos são mais potentes que o cortisol natural, exceto pela hidrocortisona, que apresenta uma potência semelhante.
60 mg de prednisona apresentam o mesmo efeito que 2 mg de dexametasona ou 300 mg do cortisol natural. Devido a essa potência maior dos corticoides sintéticos, conseguimos administrar nos pacientes doses muito acima dos níveis fisiológicos do cortisol, o que é essencial para o tratamento de algumas doenças, as autoimunes.
🔴 MUITAS DOENÇAS PODEM SER TRATADAS COM CORTICOIDES
A prednisona e os corticoides em geral são drogas que conseguem modular processos inflamatórios e imunológicos do nosso organismo, tornando-se extremamente úteis em uma infinidade de doenças. Qualquer doença de origem alérgica, inflamatória ou autoimune pode ser tratada com algum desses corticoides.
Em situações normais, a secreção de cortisol pela suprarrenal apresenta um ciclo circadiano, ou seja, sofre alterações de acordo com o período do dia. Durante as primeiras horas da manhã, a sua secreção está muito elevada, reduzindo-se ao máximo por volta das 23 horas. Por isso, optamos por administrar os corticoides durante a parte da manhã para tentar simular a secreção fisiológica que o organismo está habituado, diminuindo, assim, a incidência de efeitos colaterais.
Conforme a dose vai sendo elevada, a prednisona, ou qualquer outro glicocorticoide, começa a apresentar efeitos imunossupressores, o que justifica os seu uso nas doenças autoimunes e no transplante de órgãos.
Os corticoides podem ser administrados por várias vias. Por exemplo, corticoides sistêmicos são aqueles tomados por via oral ou via intravenosa. Na asma é muito comum a administração do corticoide inalatório. Na rinite e sinusite a via preferencial é a intranasal. Nas doenças de pele, o corticoide é tópico, ou seja, em cremes ou pomadas. Pode haver corticoides em colírios e em soluções para administração nos ouvidos. Nas artrites a via pode ser intra-articular (infiltração).
🔴 Efeitos colaterais metabólicos dos corticoides: Os efeitos colaterais estão intimamente relacionados à dose e ao tempo de uso.
A partir da dose de 5 mg por dia há uma clara tendência ao ganho de peso e acúmulo de gordura na região do tronco e abdômen. Quanto maior for a dose do corticoide, maior é o ganho de peso.
Além do acúmulo de gordura, a corticoterapia crônica também leva a alterações do metabolismo da glicose, podendo, inclusive, provocar diabetes mellitus. O risco é maior nos indivíduos que já apresentam valores de glicose ligeiramente alterados antes do início da corticoterapia. Apesar do diabetes ser reversível na maioria dos casos após a suspensão da droga, alguns pacientes permanecem diabéticos para o resto da vida.
Doses diárias de prednisona acima de 10 mg por mais de 3 meses também podem provocar alterações nos níveis de colesterol, nomeadamente elevações no colesterol LDL (colesterol ruim) e triglicerídeos, e redução dos níveis de colesterol HDL (colesterol bom).
🔴 CUIDADOS E PERIGOS DO USO DE CORTICOIDES
A corticoterapia prolongada requer alguns cuidados, principalmente na hora de se suspender a droga.
O uso de prednisona ou similares por muito tempo, inibe a produção natural de cortisol pela glândula suprarrenal. Como os corticoides sintéticos têm uma meia-vida de algumas horas apenas, a suspensão abrupta faz com que após 2 ou 3 dias os níveis de cortisol fiquem próximo de zero. Quando a suprarrenal fica muito tempo inibida pela administração de corticoides exógenos, ela demora até voltar a produzir o cortisol naturalmente. Em geral, tratamentos que duram menos de 3 semanas não costumam causar grandes efeitos colaterais nem causam inibição prolongada das supra renais.
Como o cortisol é um hormônio essencial para a vida, o paciente que suspende o corticoide sintético abruptamente entra em um estado chamado de insuficiência suprarrenal, podendo evoluir para choque circulatório, coma e óbito, se não for rapidamente atendido.
 Por isso, a retirada dos corticoides após uso prolongado deve ser sempre feita de modo lento e gradual. Nunca se deve suspender o tratamento sem conhecimento médico .

Uma manhã feliz


Ansiedade

Os sintomas de ansiedade podem se manifestar a nível físico, como a sensação de aperto no peito e tremores ou a nível emocional como a presença de pensamentos negativos, preocupação ou medo, por exemplo e, geralmente, surgem vários sintomas ao mesmo tempo.

Os sintomas de ansiedade podem levar o individuo a ser incapaz de realizar as tarefas do dia-a-dia, pois, entra em pânico e, por isso, é importante aprender a controlar e, se possível, tratar a ansiedade, sendo em alguns casos necessário ir no psiquiatra e no psicólogo. 

Causas de ansiedade:

A ansiedade pode ser provocada por qualquer motivo, pois depende da importância que o individuo dá a uma determinada situação e pode surgir em adultos ou crianças.

Porém, a ansiedade aguda e o estresse são mais comuns em situações, como a insegurança do 1º dia de trabalho, casamento, problemas familiares ou compromissos financeiros, por exemplo, e é importante identificar a causa, para conseguir tratar, para não se tornar ansiedade crônica.

Além disso, em algumas situações o uso excessivo de redes sociais como o facebook também podem ser responsáveis por causar ansiedade, tristeza e mal estar.

Desta forma, se 3 ou mais dos sintomas físicos ou emocionais estiverem presentes quase que diariamente nos últimos 6 meses, é importante consultar um psiquiatra e psicólogo para avaliar e indicar o melhor tratamento, pois pode estar sofrendo de um quadro chamado transtorno de ansiedade generalizada.

Como controlar a ansiedade?
Para controlar a ansiedade, pode-se tomar remédios indicados pelo médico que ajudam a diminuir alguns dos sintomas, além de usar plantas medicinais que têm efeito calmante e, se necessário, fazer acompanhamento com o psicólogo.

Remédios naturais:

Alguns exemplos de remédios naturais que podem ser usados são:

✔️Suco de maracujá, pois possui propriedades calmantes e ansiolíticas;
✔️Chá de camomila devido à sua ação calmante;
✔️Tomar um banho morno para relaxar o corpo;
✔️Receber uma massagem relaxante.

Fonte 👉Tua Saúde.

Fonte da imagem 👉   I@cuidadospelavida 

O que é real?

Eu quero saber o que é real.

Tenha orgulho das suas cicatrizes, elas contam histórias e mais importante é que você venceu uma batalha. 

Compartilho com vocês uma parte de um texto do site A mente é maravilhosa:


"Ser você mesmo em um mundo que está constantemente tentando transformá-lo em outra coisa é a maior realização”. Ralph Waldo Emerson.


Seja você mesmo

O que devemos fazer é potencializar os nossos pontos fortes e assumir as nossas fraquezas. Não existe ninguém perfeito. Quem se conhece bem, sabe dos seus limites e vive mais feliz. “Ninguém deveria acreditar que é perfeito e nem se preocupar por não ser”. Bertrand Russell.Devemos aceitar que somos diferentes e únicos. Não se permita ser alguém que não é; seja você mesmo e o mundo será muito diferente.


Sendo você mesmo você atrairá mais amigos,#alegria e #felicidade. A crença de que ser#autêntico afasta as pessoas é uma mentira. Pare de acreditar em falsas crenças e liberte o seu “eu” verdadeiro. ‌


Fonte 👉amenteemaravilhosa.com.br/quero-ser-autentico/

Retocolite Ulcerativa

A retocolite ulcerativa, ou colite ulcerativa, ou #RCUI (de retocolite ulcerativa inespecífica ou idiopática) é uma #doençacrônica do #intestinogrosso, de causa desconhecida e que causa inflamação e feridas no revestimento interno do colon e do reto.
O principal sintoma da retocolite ulcerativa é a diarréia com muco e sangue.
Na retocolite, o processo inflamatório tem origem sempre no reto, que é a porção do intestino grosso logo acima do ânus, e progride para os outros segmentos do intestino.
video
A extensão da colite que acomete o paciente é muito importante. Ela ajuda a prever a forma de tratamento, a gravidade da apresentação da doença e o futuro do paciente. 
Quando somente o reto é afetado, a forma é chamada de #retite ou proctite ulcerativa; quando o lado esquerdo do colon é fetado, se chama de #coliteesquerda ou colite distal ou limitada; e quando todo o intestino grosso é afetado, a forma é designada de #pancolite . A retocolite ulcerativa pode afetar todo o intestino grosso, o que a diferencia da outra doença inflamatória intestinal crônica de causa ainda desconhecida conhecida como #DOENÇADECROHN. Esta pode acometer desde a boca até o ânus.
Os principais sintomas da retocolite ulcerativa são: #diarreia crônica (por mais de 30 dias)a dor abdominal em cólicas, eliminação de muco e sangue nas fezes e o emagrecimento.
A retocolite afeta indivíduos jovens mais comumente a partir dos 15 anos de idade. Ocorre menos frequentemente após os 50 anos.

Afeta homens e mulheres na mesma proporção.
Existe agregação familiar na retocolite ulcerativa. Isso significa que quando um parente é acometido pela doença, o risco de um outro parente desenvolver a doença está aumentado em até 20%. Alguns exames são utilizados no diagnóstico da retocolite ulcerativa. Uma boa consulta médica é o primeiro passo, seguido pelo exame #proctológico complete a ser realizado pelo médico #coloproctologista.
#COLONOSCOPIA é fundamental para o diagnóstico da retocolite ulcerativa. Porém já no exame proctológico, o especialista pode avançar significativamente e já pode com base nos achados da #retossigmoidoscopia iniciar o tratamento adequado.

Fontes:
👉Colorretal👉ABCD

Confio que logo em breve estarei em remissão

Fui diagnosticada há 11 meses com retocolite ulcerativa.

Começou com muitas cólicas e dores do lado esquerdo da barriga abaixo da costela parecia até dores pélvicas que irradiava para as costas até então os médicos acharam que era virose por causa que tive diarreia constante de ir no banheiro mais de 20x, as fezes eram escuras e notei que tinha sangue ao notar ele saindo das fezes na água. Mas os médicos excluíram a virose depois de um mês de diarreias e dores e passou ao diagnóstico de pedras nos rins. Onde não tinha nada. Porém tinha muito sangramento na urina que só via por microscópio. Até então minha urina sair da cor da Coca cola e eles esqueceram das minhas diarreias e focaram nos rins e fizeram uma tomografia. E nada no rins. Até aí já havia se passado 3 meses de pura diarreia com muco sangue e dores. E meu convênio não resolvia nada. Até encontrar uma pessoa que soube do meu caso e me levou no hospital Heliópolis onde me encaixaram e hoje estou em tratamento.

Continuo com dores e diarreia mas consegui tratamento e medicamentos que aliás são muito caros onde eu comprava e melhorava e morreria de fome mas graças a Jeová consegui pelo governo no hospital Heliópolis. Não tenho ainda uma vida normal tive que sair do serviço por conta das vezes que eu ia ao banheiro e não conseguia trabalhar com dores. Mas confio que logo em breve vou estar em remissão já me internei e continuo indo sempre ao pronto socorro com diarreia e dores. E assim como essa pessoa me ajudou compartilho o meu problema com todas as pessoas pois quem sabe um dia posso ajudar alguém que esteja passando pelo mesmo que eu passei e não encontra saída. A doença não tem cura mais tem tratamento. Vamos todos juntos ajudar o próximo juntos contra essa doença cruel que se não tratada leva ao óbito.

Vamos nos conscientizar e divulgar!. Juntos somos mais fortes! Crohnistas da alegria! Maio roxo! DII!

Meu nome é Aparecida Estrela, tenho 29 anos, moro em Mauá/SP, sou Gerente, tenho Retocolite Ulcerativa. Meu perfil no Facebook: www.facebook.com/estrela.gusman.5

Conte a Sua História Também! Expressar tranquiliza-a-dor.

Compartilhe a sua história   Conte SuaHistória

Para ler os depoimentos clique   www.farmale.com.br/search/label/ConteSuaHistoria