slider

I Encontro Farmale: Uma conversa sobre as Doenças Inflamatórias Intestinais com a Dra Giovana Zibetti
Keep fighting!
III Encontro Farmale: Ostomia e Doenças Inflamatórias Intestinais
I will beat IBD
Ali Jawad, paratleta do halterofilismo com doença de Crohn: Você é uma inspiração para todos nós!
II Encontro Farmale - Diagnóstico das Doenças Inflamatórias Intestinais: Investigação Endoscópica Palestrante: Dr Flavio Abby
Compartilhe conosco sua história

Adoçante de Mesa ou Adoçante Dietético?

Achou estranha a pergunta? Pois é, você sabia que existe diferença? Então vamos as explicações técnicas, e muito técnicas, já que resolvi procurar como fonte a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Adoçante de Mesa: é o produto formulado para conferir sabor doce aos alimentos e bebidas, constituído de edulcorante(s) previsto(s) em Regulamento Técnico específico. Opa! Edulcorantes? Quem são? Os aditivos edulcorantes são substâncias, diferentes dos açúcares, que conferem sabor doce aos alimentos. Dentre os aditivos edulcorantes mais conhecidos estão o aspartame, a sacarina e o ciclamato, comumente utilizados, por exemplo, em adoçantes artificiais e em refrigerantes de baixo teor calórico. Para saber quais são os aditivos edulcorantes liberados e os limites máximos nos alimentos, você pode ler (não fique com preguiça, é uma importante informação e não é extensa) a Resolução - RDC Nº 18, de 24 de março de 2008, dispõe sobre o "Regulamento Técnico que autoriza o uso de aditivos edulcorantes em alimentos, com seus respectivos limites máximos". 

Os adoçantes dietéticos, por sua vez são produtos considerados Alimentos para Fins Especiais, pela Portaria Nº 29, de 13 de janeiro de 1998 (http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/7f683d00474575d283bed73fbc4c6735/PORTARIA_29_1998.pdf?MOD=AJPERES), recomendados para dietas especiais, quer seja de emagrecimento ou de restrição de açúcar e de acordo com a mesma Portaria, são adoçantes formulados para dietas com restrição de sacarose, frutose e ou glicose, para atende às necessidades de pessoas sujeitas à restrição desses carboidratos. 

A legislação brasileira divide os adoçantes em naturais, sendo a mais conhecida a estévia, além da frutose e do sorbitol; e os artificiais, como aspartame, ciclamato e sacarina. O que difere as duas modalidades é a origem deste adoçante e também seu poder de doçura em relação ao açúcar. Os edulcorantes apresentam um poder adoçante maior. As contra-indicações são para grávidas e mulheres que estão amamentando, para evitar que o bebê sofra algum tipo de alergia devido aos compostos sintéticos. Também não é recomendado em crianças, exceto para as que possuem diabetes ou obesidade, sempre devidamente orientadas por nutricionista ou médico. O ciclamato e a sacarina são contra-indicados em casos específicos, como os hipertensos, devido à grande quantidade de sódio contido em sua formulação.

O ciclamato de sódio é um dos mais polêmicos,  foi proibido pelo FDA (Food and Drug Administration, órgão regulador de alimentos e remédios nos EUA), mas é aprovado no Brasil e em vários outros países. No Brasil, a Anvisa divulgou em 2009, um informe técnico sobre o assunto para responder aos milhares de questionamentos sobre o assunto:
Outras pesquisas não comprovaram o risco do ciclamato, mas os EUA até hoje mantêm a proibição, fato que também levanta outra polêmica,  o “lobby do aspartame”, mas essa conversamos em uma postagem exclusiva, pois assunto polêmico merece destaque.

A última avaliação do edulcorante ciclamato, realizada pelo Jecfa aconteceu em 1982, estabeleceu a IDA de 11 mg/kg p.c. Isso significa que uma criança de 30 kg poderia consumir diariamente no máximo 330 mg de ciclamatos e um adulto de 60 kg poderia ingerir até 660 mg. O problema é que as pessoas nem sempre ingerem uma única fonte de ciclamato na alimentação, por exemplo, uma pessoa pode tomar um refrigerante de baixo teor calórico no almoço e no jantar, mas acaba excedendo o limite de ciclamato, porque toma vários cafés com adoçante durante o dia e ainda consome algumas gelatinas diet.

Quem são Jecfa e IDA? Para aprovação de limites máximos para aditivos alimentares são considerados os valores da Ingestão Diária Aceitável (IDA) estabelecidos para os aditivos pelo Comitê FAO/OMS de Especialistas em Aditivos Alimentares (Jecfa) após avaliação toxicológica, e também é considerada a ingestão estimada dos aditivos pelo consumo de alimentos. O Jecfa é o comitê científico que realiza avaliação de segurança de uso de aditivos para alimentos, assessorando o Comitê Codex de Aditivos Alimentares (CCFA) em suas decisões. A IDA é um parâmetro toxicológico de longo prazo, definida como “quantidade estimada de uma substância química, expressa em mg por kg de peso corpóreo (mg/kg p.c.), que pode ser ingerida diariamente durante toda a vida sem oferecer risco apreciável à saúde, à luz dos conhecimentos toxicológicos disponíveis na época da avaliação”. Essas e mais informações você encontra no Informe Técnico já citado aqui.


O INMETRO não poderia ficar de fora desse assunto e por isso, compartilho aqui com você, uma pesquisa realizada pelo Programa de Análise de Produtos, coordenado pela Diretoria da Qualidade, utilizando amostras de adoçantes de mesa e adoçante dietéticos. E foi um achado, pois tem uma tabela muito boa com a Ingestão Máxima/dia (mg/kg de peso corporal). Ficou curioso para saber os resultados? Então vou atiçar mais a sua curiosidade com os objetivos dessa pesquisa:

"a) prover mecanismos para que o Inmetro mantenha o consumidor brasileiro informado sobre a adequação dos produtos e serviços aos Regulamentos e às Normas Técnicas, contribuindo para que ele faça escolhas melhor fundamentadas, levando em consideração outros atributos do produto além do preço, tornando-o mais consciente de seus direitos e responsabilidades;
b) fornecer subsídios para a indústria nacional melhorar continuamente a qualidade de seus produtos, tornando-a mais competitiva;
c) diferenciar os produtos disponíveis no mercado nacional em relação à sua qualidade, tornando a concorrência mais equalizada;
d) tornar o consumidor parte efetiva deste processo de melhoria da qualidade da indústria nacional."


Espero que esse texto sirva para refletirmos sobre os excessos e o quê estamos expondo nosso organismo. Eu prefiro o natural, pegar a fruta e fazer um suco, mas ainda assim podemos entrar em uma outra polêmica que são os agrotóxicos e muito mais...  um bom assunto para falarmos dos alimentos orgânicos, mas ficará para a próxima, pois preciso garimpar boas fontes sobre esse assunto que adoro.


3 comentários:

Cris Guimarães disse...

Alessandra, excelente post, bem informativo. Você tem algum dado sobre a sucralose?
Beijos!

Marina disse...

É bom que a gente possa ter sempre mais informação. Obrigada, Alessandra!

Alessandra de Souza disse...

Obrigada, muito obrigada! Fico feliz que a informação tenha sido aprovada por vocês! Sobre a sucralose, Cris, vou procurar mais informações para compartilhar aqui.