OPAS/OMS apresenta ações custo-efetivas para prevenir doenças crônicas, em encontro internacional

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde apresentou durante o XXI Congresso Iberoamericano de Doenças Cerebrovasculares e Encontro Ministerial Latinoamericano de AVC, um panorama das doenças crônicas não transmissíveis no mundo e um portfólio de ações custo-efetivas para preveni-las e controlá-las. O evento ocorreu em agosto, em Gramado, no Rio Grande do Sul.

“As doenças crônicas são de longe a principal causa de morte no mundo, representando 63% de todas as mortes anuais. Essas enfermidades, principalmente o câncer, diabetes, doenças cardiovasculares e doenças respiratórias crônicas tiram a vida de 36 milhões de pessoas a cada ano”, afirmou Katia de Pinho Campos, coordenadora de Determinantes da Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental do escritório da OPAS/OMS no Brasil, durante a abertura do encontro internacional.

Entre as enfermidades crônicas, as que mais matam são as doenças cardiovasculares e o acidente vascular cerebral (AVC). Estima-se que, juntas, foram responsáveis por tirar a vida de 17,7 milhões de pessoas no mundo, representando 31% de todas as mortes em nível global.

“Se reduzirmos a mortalidade por doença cardíaca isquêmica e acidente vascular cerebral em 10%, reduziremos as perdas econômicas em ao menos US$ 25 bilhões por ano, o que é três vezes maior que o investimento necessário para medidas de prevenção e controle”, ressaltou Katia.

Os principais fatores de risco para essas enfermidades são dietas inadequadas, sedentarismo, uso de tabaco e consumo nocivo de álcool. Os efeitos desses tipos de comportamento podem se manifestar em indivíduos por meio de pressão arterial elevada, glicemia alta, hiperlipidemia, sobrepeso e obesidade.

Redução de risco

Há uma série de medidas que têm se mostrado eficazes na redução do risco de uma pessoa vir a ter doenças crônicas. Por exemplo, a cessação do tabagismo, diminuição do sal na dieta, consumo de frutas e vegetais, prática de atividades físicas regulares e uso não nocivo do álcool.

Além disso, o tratamento medicamentoso da diabetes, hipertensão e hiperlipidemia podem ser necessários para reduzir os riscos cardiovasculares e prevenir ataques cardíacos e AVCs.

Para motivar as pessoas a adotarem e manterem comportamentos salutares, também é essencial os governos adotarem políticas públicas de saúde que criem ambientes propícios para escolhas saudáveis e acessíveis.

Fonte: PAHO

Visite aqui a página no Facebook, o Instagram Farmale e o Canal Farmale!
Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento.
O Farmale é o blog oficial da ALEMDII – Associação do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais
Siga nas redes sociais: