Universidade na Baixada atende gratuitamente pacientes com doenças raras

Há dois anos, a cabeleireira Suelen Hinarino da Silva, de 30 anos, deu à luz Luan. O menino nasceu com hidrocefalia grave e má formação facial e nos membros superiores. Com uma rotina de cuidados intensa, não faltou amor e dedicação. Há cinco meses, o menino ganhou um reforço no tratamento. Ele é atendido no Núcleo de Ensino Multiprofissional de Doenças Raras da Uniabeu, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

— Ele faz acompanhamento motor no Albert Sabin (Escola municipal de Educação Especial). Um fisioterapeuta de lá me orientou a procurar atendimento com um geneticista aqui. Ele está evoluindo muito bem com a hidroterapia. Não tinha ideia de que existia um serviço como esse na cidade — afirmou Suelen.

O espaço atende gratuitamente cerca de 20 famílias por mês. Pelo núcleo, passam estudantes dos cursos de Farmácia, Enfermagem, Psicologia e Fisioterapia, durante a disciplina “Tópicos especiais em genética”.

Quando a doença não pode ser tratada no núcleo, pacientes e familiares são orientados a buscar tratamentos em outras unidades.

— Uma grande parte desse universo de seis a oito mil doenças raras requer um abordagem de maior complexidade e, dependendo do caso, necessitarão de uma assistência em grandes centros. Mas o que podemos, iremos resolver — explica o professor, médico humanitário e chefe do núcleo, João Gabriel Lima Daher.

Aluna do 6º período de Farmácia, Nilza Pereira, de 47 anos, conta que o núcleo acrescenta na formação dos universitários:

— É tudo na prática. Acaba sendo mais proveitoso para o aluno e beneficiando o paciente. Não é em qualquer faculdade que temos um núcleo como esse.

O projeto atende de forma integrada com centros e serviços de saúde da Uniabeu.

Sonho vira realidade

O sonho de oferecer tratamento e maior qualidade de vida aos pacientes de doenças raras começou há nove anos, quando o médico fazia sua especialização em Genética.

— Via pessoas largadas dentro de hospitais públicos, que enfrentavam condições degradantes até chegarem ali. Isso dificultava o tratamento contínuo. Então resolvi trazer esse serviço especializado para perto da casa do paciente — conta João.

Além do Centro Universitário Uniabeu, o médico afirma que levou o antedimento gratuito a Queimados, Nova Iguaçu, Santo Antônio de Pádua e Itaocara:

— Meu objetivo principal é formar uma aliança, baseada no Médico Sem Fronteiras, para ajudar a ampliar esse conhecimento, formar mais pessoas para ajudar nesse projeto de vida e montar suporte nas áreas mais desfavorecidas do estado.

Márcia Cristina Lage com a filha Anna Luiza
Márcia Cristina Lage com a filha Anna Luiza Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo

Em Belford Roxo, o núcleo já recebe pacientes de outras cidades da região. É o caso da dona de casa Márcia Cristina Lage, de 38 anos. Ela soube por uma amiga do atendimento gratuito oferecido na unidade e levou sua filha, Anna Luzia, de 9 meses:

— Uma amiga me orientou a trazer minha filha para fazer hidroterapia aqui. Ela tem síndrome de Down. Para começar o tratamento, tem que passar pelo geneticista.

Os atendimentos acontecem mediante agendamento, que deve ser feito pelo telefone 2104-0450, ramal 1524, das 9h às 11h30, às quartas e quintas-feiras.

Fonte: Extra

Visite aqui a página no Facebook, o Instagram Farmale e o Canal Farmale!
Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento.
O Farmale é o blog oficial da ALEMDII – Associação do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais
Siga nas redes sociais: