A patologia atinge 13,25 em cada 100 mil habitantes, sendo 53,83% de doença de Crohn e 46,16% de retocolite ulcerativa

As doenças inflamatórias intestinais chamam a atenção para o quadro ainda pouco conhecido dos brasileiros. Dados divulgados recentemente no I Congresso Brasileiro de Doenças Inflamatórias no Brasil (Grupo de estudos da Doença Inflamatória Intestinal do Brasil – GEDIIB), realizado em São Paulo, revelam que, no país, a patologia atinge 13,25 em cada 100 mil habitantes, sendo 53,83% de doença de Crohn e 46,16% de retocolite ulcerativa.

“As doenças de Crohn e a Retocolite Ulcerativa ocorrem devido a múltiplos fatores, nem todos já esclarecidos, que vão desde determinantes genéticos, microbiota do ecossistema intestinal, hábitos de vida e alimentares até a imunorregulação da mucosa intestinal, sendo esses os principais. Jovens entre 20 e 40 anos, de ambos os sexos, são os mais atingidos pelas doenças intestinais, responsáveis por grande impacto nas relações sociais e profissionais desses pacientes”, observa o médico clínico Marcelo Caldeira, do Centro de Infusões e Terapias.

Sintomas

Informações apresentadas no congresso revelam um aumento da incidência das doenças intestinais, possivelmente em função da mudança de hábitos alimentares, como o aumento expressivo do consumo de alimentos industrializados e multiprocessados e o excesso de gorduras. Para o médico, tão importante quanto uma alimentação equilibrada e saudável como arma de prevenção é proporcionar informação à população para ajudar na identificação do quadro.

“Entre os sintomas mais comuns estão diarreia (com pus, muco ou sangue), cólicas, gases, fraqueza, perda de apetite e febre. Podem ocorrer ainda problemas oculares, articulares, cutâneos e no fígado. A Doença de Crohn pode se manifestar em qualquer parte do tubo digestivo, da boca ao ânus, caracterizando-se por uma inflamação crônica, acometendo mais frequentemente o final do intestino delgado e do grosso”, explicou Caldeira.

Nos casos mais graves, avalia, podem ser necessárias cirurgias para retirada de segmentos do intestino em razão de oclusão, sangramento ou perfuração e tratamento de lesões anais. “A retocolite ulcerativa tem como característica inflamação na mucosa do intestino grosso, que causa diarreia crônica com sangue e anemia. Diferente da Crohn, não há lesões no intestino delgado”, completa o médico.

Tratamento

A investigação e a avaliação clínica são fundamentais para o diagnóstico preciso e o tratamento mais assertivo das doenças inflamatórias intestinais. “O diagnóstico e a classificação das doenças inflamatórias intestinais são baseados na suspeição clínica, seguindo critérios do Grupo de Estudos da Doença Inflamatória Intestinal do Brasil (GDIIB) estabelecidos em consenso, com auxílio de exames complementares de imagem e laboratoriais, além de colonoscopia com biópsia”, disse.

Também por isso, acrescentou, embora ainda não haja uma cura definitiva, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado permitem um controle eficiente, com qualidade de vida satisfatória aos pacientes portadores.

“Basicamente, o tratamento é clínico, podendo ser necessárias intervenções cirúrgicas, nos casos mais graves, e segue diversas etapas, com uso de medicamentos orais e/ou venosos e subcutâneos, assim como os essenciais cuidados alimentares com dieta equilibrada, de acordo com a orientação de um nutricionista”, ressalta o clínico.

Fonte: Notícias Ao Minuto

Visite aqui a página no Facebook, o Instagram Farmale e o Canal Farmale! Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento.
O Farmale é o blog oficial da ALEMDII – Associação do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais
Siga nas redes sociais: