O primeiro evento relacionado à dieta na colonização do microbioma intestinal

Após o nascimento, o microbioma intestinal do RN caracteriza-se por baixa diversidade de espécies e altas taxas de fluxo bacteriano, até aproximadamente os três anos de idade.

Bactérias anaeróbias facultativas, incluindo Staphylococcus, Streptococcus, Escherichia coli Enterobacteria, são consideradas como as primeiras a colonizar o intestino, com o propósito de consumir oxigênio, levando à criação de um ambiente propício ao crescimento de anaeróbios. A partir de então, estes passarão a predominar no trato gastrintestinal, principalmente Actinobacteriia e Firmicutes. Esta alteração na taxa de bactérias dominantes é atribuída à introdução do aleitamento materno (AM) ou da alimentação por fórmula (AF) o primeiro evento relacionado à dieta na colonização do microbioma intestinal.

Nos lactentes em AM, as Actinobacterias dominantes são representadas por espécies de Bifidobacterium, especialmente por B. breve, B. longum, B. dentium, B. infantis e B. pseudocatenulatum94, e os Firmicutes, por bactéria produtoras de ácido láctico, Lactobacillus, Enterococcus e ainda espécies de Clostridium.

As bifidobactérias são as espécies mais representativas em ambas as dietas, na maioria dos casos sem diferenças significativas nas contagens, porém alguns estudos relatam quantidades bem maiores em crianças que recebem AM.

Lactentes alimentados com fórmulas tradicionais diferem pela abundância de B. cantenulatum e B. adolescentis, que são tipicamente representantes das populações de adultos, e o emprego de fórmulas suplementadas com prebióticos galactooligossacárides pode elevar os níveis de Bifidobacterium em geral.

Ainda em lactentes que recebem AF, são relatados níveis aumentados de Atopobium, que poderiam estar relacionados ao uso de antibióticos em mães submetidas a parto cesáreo. Com relação à AF, em geral, são encontrados níveis mais altos de Bacteroides spp. e Enterobacteriacea.

A introdução dos alimentos sólidos irá impactar significativamente na ecologia intestinal dos lactentes em AM, que desde o início da suplementação dietética tem seu perfil modificado pelo aumento das contagens de Enterococci e Enterobacteria, e o aparecimento de Bacterioides, Clostridia, e outros Streptococci anaeróbios.

Fonte: Chong-Neto HJ, Pastorino AC, Melo ACCDB, Medeiros D, Kuschnir FC, Alonso MLO, et al. A microbiota intestinal e sua interface com o sistema imunológico. Arq Asma Alerg Imunol. 2019;3(4):406-420

Leia mais:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui