Revestimento intestinal humano é recriado dentro de um biochip

Intestino em um chip

Cientistas recriaram em laboratório o revestimento intestinal humano. É a primeira vez que esse tecido vivo foi criado fora do corpo, o que permitiu que ele fosse inserido dentro de “chips-intestino”, microlaboratórios que permitirão testes personalizados de medicamentos.

O revestimento intestinal foi recriado a partir de células humanas adultas que foram convertidas em células-tronco e então cultivadas para formar organoides, que são imitações de órgãos humanos – já foram criados diversos miniórgãos em biochips, incluindo coraçãocordas vocaisplacentapulmão etc.

Como o tecido artificial conservou a impressão digital genética do adulto doador das células, a expectativa é que esses microlaboratórios possam mudar a forma como pacientes são tratados de doenças gastrointestinais e inflamatórias com um componente genético, como doença de Crohn, colite ulcerativa e síndrome do intestino irritável.

Em vez de expor um paciente a tratamentos medicamentosos que podem ser onerosos, ineficazes ou causar efeitos colaterais nocivos, as células-tronco do próprio indivíduo poderão ser usadas para produzir uma duplicata do revestimento intestinal em um “intestino-chip”, onde serão testados múltiplos medicamentos. Os médicos poderão então determinar qual droga funciona melhor no intestino do paciente.

Intestino-Chip

Os “intestinos-chip” têm o tamanho de pilhas AA e recriam o microambiente natural do intestino humano no interior de seus microcanais, incluindo o epitélio intestinal – a camada de células que forma o revestimento dos intestinos grosso e delgado.

Fluidos bombeados através desses microcanais criaram um ambiente que permitiu que as células desenvolvessem as estruturas tridimensionais, chamadas vilosidades, encontradas no intestino. Os testes mostraram que o revestimento intestinal contém todos os tipos de células-chave normalmente encontrados no tecido natural.

“Esta associação de biologia e engenharia nos permitiu recriar um revestimento intestinal que corresponde ao de um paciente com uma doença intestinal específica – sem realizar uma cirurgia invasiva para obter uma amostra de tecido,” disse o pesquisador Clive Svendsen, coordenador da equipe multi-institucional que criou o biochip. “Nós podemos produzir um número ilimitado de cópias deste tecido e usá-las para avaliar potenciais terapias. Este é um avanço importante na medicina personalizada”.

Fonte: Diário da Saúde

Visite aqui a página no Facebook e o Instagram Farmale!
Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui