Conscientizar uma pessoa significa fazer com que ela tome consciência e reflita sobre um determinado assunto, além de mostrar a verdade através da comunicação. 

Tomar consciência de algo é buscar a profundidade da realidade. Essa profundidade é incompatível a partir do momento que uma pessoa vive no plano da superficialidade.

Ter consciência nem sempre é simples porque a realidade pode romper as expectativas pessoais. Assim ocorre, por exemplo, quando recebemos o diagnóstico de uma doença crônica como são as Doenças Inflamatórias Intestinais – Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa. E quais são essas expectativas pessoais? Antes de você tomar consciência da sua nova condição, você pode ter criado expectativas a respeito do tratamento e em uma possível cura, sendo que as Doenças Inflamatórias Intestinais são autoimunes, crônicas, não têm cura, os sintomas são muito desagradáveis e quando você toma consciência disso tudo, a sua reação pode ser de negação da doença por exemplo. E isso pode ter consequências ruins para você e para o tratamento, o melhor seria você assumir a realidade e tomar consciência da mesma, o que significa assumir que as Doenças Inflamatórias Intestinais não têm cura, ainda, mas existem tratamentos. Deixei “ainda” entre parênteses, porque acho importante mantermos a esperança! Ter esperança quando você tem consciência da sua doença, não significa se iludir. Isto é aceitar a realidade mesmo que esta não corresponda as suas expectativas, pois viver na ignorância e não compreender a sua doença será pior.

Ter consciência de algo, ou seja, conhecer a verdade de um assunto permite tomar decisões de forma mais efetiva. 

Por outro lado, não ser consciente de algo significa ignorar determinado assunto. Quando observamos a realidade como ela é, ou seja, quando tomamos consciência de um assunto, somos capazes de viver realmente com propriedade e buscar a sabedoria como fundamental. Isso é empoderar-se! Ter conhecimento, propriedade sobre a sua condição como paciente, sair da posição passiva para a ativa e participar das decisões sobre o seu tratamento, estar seguro que, o médico e os profissionais de saúde envolvidos no seu caso, estão fazendo o melhor para você.

Por esta razão, é muito importante ter a mente aberta, ser observador, praticar a escuta ativa e refletir sobre as informações que você recebe durante uma consulta, não deixando dúvidas sem respostas.  

“A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”. (Albert Einstein)

Eu estou aqui fazendo a minha parte como profissional de saúde (sou farmacêutica) e como paciente que participa das decições sobre o meu tratamento. Compartilho informações e respondo cada um que me traz uma dúvida, seja pessoalmente, por e-mail ou mensagens. Quando não tenho a resposta na hora, busco um profissional experiente para me auxiliar e retorno como a resposta. Quero ver todos entendendo sobre a sua doença, sobre as medicações e seus tratamentos, mas isso não depende só de mim, depende doe todos. A escolha é sua, entre continuar na escuridão, realizando procedimentos sem saber absolutamente nada ou se informar, se empoderar e participar ativamente do seu tratamento. 

Não tenha medo ou vergonha de fazer perguntas para o médico, certamente ele ficara satisfeito com o seu interesse em compreender a sua doença, pois para o médico, é muito mais fácil e prazeroso tratar um paciente consciente. Acredite nisso! 

“Concluí que a informação é algo extremamente importante, por essa razão estamos aqui reunidos com a intenção de disseminar o conhecimento e a conscientização a respeito das doenças Inflamatórias Intestinais.”

Essa mensagem faz parte de um depoimento que a Natália Passos fez para o Dia Mundial das DII, escolhi essa parte porque ela destaca a importância de nos conscientizarmos e estarmos unidos pela disseminação de informações sobre as DII. Juntos somos mais fortes sim! Acredite!
O que podemos fazer para disseminar informação? Conscientizar! Conversar com as pessoas sobre essas doenças, participar de grupos de autoajuda convidando amigos e parentes para participar, compartilhar informações sobre as Doenças Inflamatórias Intestinais nas nossas redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest), buscar a empatia das pessoas com a nossa condição. Buscar o nosso empoderamento como pacientes!

Gostou do texto? Deixe seus comentários por aqui ou envie para farmaleachou@gmail.com e compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela.

Acompanhe o blog Farmale pelas redes sociais!

O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui