Estudo revela que doença Crohn e retocolite ulcerativa podem patrocinar o surgimento de males cardiovasculares

Dor, queimação, diarreia… As doenças inflamatórias intestinais (DII) são um tormento para milhões de pacientes ao redor do globo. E uma pesquisa recém-lançada mostra que suas repercussões não se limitam ao aparelho digestivo: o problema também está relacionado com o ataque cardíaco.

A descoberta vem do Hospital Universitário do Centro Médico de Cleveland, nos Estados Unidos. Os experts analisaram os prontuários médicos de 17,5 milhões de pacientes e descobriram que 211 mil deles (o equivalente a 1,2% do total) tinham sido diagnosticados com Crohn ou retocolite ulcerativa.

Quando os dados foram comparados aos de indivíduos saudáveis, as taxas de infarto eram 23% maiores naqueles com algum desses distúrbios intestinais. Pior: entre os sujeitos mais jovens, a probabilidade de um piripaque no coração era nove vezes superior. E olha que eles descartaram a influência de outros componentes decisivos nesse processo, como colesterol alto, diabetes e hipertensão.

Informações tão contundentes motivaram os autores da pesquisa a considerar que as doenças inflamatórias intestinais são, por si só, um fator de risco para males cardiovasculares. O levantamento foi apresentado no dia 11 de março/18, durante as Sessões Científicas Anuais do Colégio Americano de Cardiologia, um dos mais importantes congressos da área.Segundo o médico José Luiz Aziz, diretor da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo e professor da Faculdade de Medicina do ABC, essa relação entre os dois problemas pode ser explicada pela inflamação.

“Do mesmo modo que ela ataca as paredes do intestino, também prejudica o revestimento das artérias”, afirma. “Isso dá início a um processo de aterosclerose e a uma posterior interrupção do fluxo de sangue”, completa. Se esse bloqueio ocorrer no coração, é o infarto que dá as caras.

Entenda as DIIs

As doenças inflamatórias intestinais são um termo para designar dois problemas que atingem o tubo digestivo: a doença de Crohn e a retocolite. “A primeira pode ocorrer em qualquer trecho entre a boca e o ânus, enquanto a segunda está restrita ao intestino grosso e ao reto”, diferencia a proctologista Maristela Gomes, do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, em São Paulo. Fatores genéticos, ambientais e comportamentais estão envolvidos na origem dos quadros.

Vale citar que a dupla costuma ser diagnosticada por meio de uma colonoscopia na faixa que vai dos 15 aos 30 anos, o que explicaria o maior número de prejuízos cardiovasculares entre a população mais jovem. Estima-se que, só em terras americanas, 3 milhões de indivíduos possuam uma das duas doenças. Além disso, 70 mil novos casos são identificados a cada ano. Infelizmente, não existem estatísticas brasileiras sobre o assunto.

Legal, mas o que devo fazer agora?

A pesquisa americana reforça um ponto essencial: a necessidade de o paciente com retocolite ou Crohn fazer um acompanhamento próximo de sua saúde. Ou seja: ele deve não apenas seguir o tratamento medicamentoso e marcar consultas regulares com o doutor, mas também fazer de tempos em tempos checkups com o cardiologista para evitar as chateações no peito. “Uma avaliação precoce ajuda a prevenir muitos desses eventos cardíacos”, garante Aziz.

Fonte: Saúde

Visite aqui a página no Facebook e o Instagram Farmale!
Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui