Oi, me chamo Marina, sou de Criciúma – SC (Sul do Estado). Fui diagnosticada com Doença de Crohn em Julho/Agosto de 2015. Em agosto fui internada a primeira em decorrência de fortes dores abdominais, fiquei dois dias no hospital e fui liberada. Novamente, em outubro de 2015 fui internada, por uma infecção no rim esquerdo, fiquei mais três dias internada e após ganhei alta. Após a alta comecei a sentir dores na sola dos pés e a dor começou a subir para a perna. Até que fui ao meu médico e ele me receitou corticoide. E a dor foi para os ombros também, foi horrível era uma dor insuportável. Mas após a aplicação de corticoide na veia e via oral (40mg por dia) eu fui melhorando e comecei a ter uma vida quase normal. Em dezembro eu comecei a fazer a primeira tentativa de parar. Não deu certo voltei a ter crises e dores na articulação e comecei a tomar azatioprina também. 03 comprimidos por dia. Em fevereiro de 2016 comecei a fazer minha primeira aplicação de Infliximab. No começo ela seria a cada 8 semanas. Mas como estava com crise, meu médico diminuiu ela para 4 semanas. Em maio comecei minha segunda tentativa de desmame do Corticoide novamente. Fiquei duas semanas sem, mas sentindo novamente dores/cólicas no abdome. Em agosto já com as doses de infliximabe fazendo efeito, eu comecei, pela terceira e última vez a tentativa de desmame do corticoide. E deu certo em outubro me livrei dele (Graças a Deus) estava com o rosto redondo. Após uma terceira colonoscopia, consegui reduzir também um comprimido de azatioprina. Sendo que agora tomo dois.

 

Hoje levo uma vida praticamente normal. Durmo a noite inteira. Faço minhas aplicações a cada 4 semanas, tomo dois comprimidos de azatioprina por dia. E tenho vida social. Tenho certeza que quem está passando por dificuldades pode ter certeza que daqui a pouco vai melhorar, é só ter Fé.


Beijinhos Marina.
 

Meu nome é Marina Amboni  Marcelino Silvestrini, tenho 28 anos, moro em Criciúma/SC, sou Administradora/RH, tenho Doença de Crohn. Minha redes sociais:

 
Conte sua história também! Expressar-se tranquiliza a dor.
Compartilhe a sua história aqui.  Para ler os depoimentos clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui