Mês importante para quem luta por melhoria da qualidade de vida, pela visibilidade, pelos direitos ao tratamento com dignidade! Para quem luta todos os dias em busca da remissão! E quem está em remissão também tem sua luta, em manter o tratamento em dia para que a remissão seja longa!
 
Maio é o mês de Conscientização Mundial das Doenças Inflamatórias Intestinais – Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa! Pelo mundo todo ocorrem ações para divulgar, informar e apoiar portadores e familiares sobre essas doenças.
 
O ativismo é intenso nesse mês! E por aqui, o ativismo é verdadeiro de responsável. Os voluntários, que em sua maioria são portadores, são incansáveis nesse trabalho de conscientização em busca da visibilidade! Então vamos lá! Mais informações sobre DII! Ah! Informação compartilhada sempre citando a fonte de consulta.
 
Manifestações Dermatológicas 
 
Depois da artrite, os problemas de pele estão em segundo lugar entre as complicações extra intestinais mais comuns da DII. Elas afetam cerca de 5% das pessoas portadoras da Doença Inflamatória Intestinal.
Entre os problemas de pele mais comuns causados pela DII estão:
 
Eritema Nodoso: o nome literalmente significa nódulos vermelhos. Esses nódulos endurecidos e avermelhados, que normalmente aparecem sobre as canelas, tornozelos e, às vezes nos braços, ocorrem na Retocolite Ulcerativa e na Doença de Crohn. O eritema nodoso geralmente aparece juntamente com uma crise da DII, mas ele também pode ocorrer um pouco antes de uma crise. A tendência é que o eritema desapareça quando a doença estiver novamente sob controle.
 
Pioderma Gangrenoso: esta complicação da DII é caracterizada pela presença de pus na pele, associada à úlceras profundas. Assim como o eritema nodoso, o pioderma gangrenoso afeta mais frequentemente as canelas e os tornozelos, podendo afetar os braços também. O pioderma surge como pequenas bolhas que se unem, formando uma úlcera crônica profunda. Essa complicação ocorre mais comumente em portadores da Retocolite Ulcerativa (5%) e com menor freqüência nos portadores da Doença de Crohn (1%).

Fístulas Enterocutâneas: uma fístula é um pequeno canal que conecta duas partes do corpo. Uma fístula enterocutânea é um canal anômalo que conecta o intestino à pele – normalmente ligando o reto à vagina, bexiga ou nádegas. A fístula também pode ser uma complicação de uma cirurgia. Este tipo de fístula pode vazar pus ou material fecal. As fístulas ocorrem em aproximadamente 30% dos pacientes de Crohn. O tratamento depende do local e da gravidade das fístulas.
 
Plicomas: os plicomas são muito comuns em pessoas com a Doença de Crohn. Elas se desenvolvem em torno do ânus. Quando o inchaço diminui, a pele em volta fica mais espessa e forma pequenas pregas. O material fecal pode grudar-se a essas pregas, irritando a pele. A prática de uma boa higiene ajudará a reduzir o desconforto e aliviar a irritação. A remoção cirúrgica dos plicomas deve ser evitada.
 
Fissuras anais: as fissuras são pequenas rachaduras no revestimento do canal anal. Elas podem sangrar, causar dor e coceira. Banhos mornos de imersão e pomadas tópicas podem ajudar.
 
Estomatite aftosa (afta): essas pequenas erupções bucais, também conhecidas como aftas, são frequentemente encontradas entre as gengivas e o lábio inferior, ou ao longo dos lados ou base da língua. Elas normalmente ocorrem durante as crises agudas da doença e geralmente desaparecem à medida que a doença é controlada.
 
Problemas de pele pouco comuns na DII
 
Acrodermatite enteropática
 
Os casos graves de DII podem produzir outras doenças de pele associadas à deficiências nutricionais. Por exemplo, as pessoas que têm diarreia crônica podem eliminar zinco juntamente com as fezes. Esta deficiência de zinco pode levar à acrodermatite enteropática, uma erupção escamosa que geralmente aparecem no rosto, nas mãos, pés e períneo. Várias deficiências de vitamina também podem produzir manifestações na pele, tais como sangramento, inchaço das gengivas e erupções escamosas. Estes problemas são menos comuns hoje em dia por causa da crescente atenção em relação à importância da boa nutrição nos casos de doenças crônicas como a DII.
 
O Vitiligo (marcado por áreas de reduzida pigmentação) e a Psoríase e o Baqueteamento digital ou Hipocratismo digital(doença em que a pele sob as unhas fica espessa) são associados, por vezes, à DII. As duas primeiras doenças podem responder a tratamento tópico e medicação oral. No entanto, não há tratamento para o Hipocratismo Digital.
 
Reações à Medicação: em alguns casos um problema de pele não é o resultado da DII, mas de medicação usada em seu tratamento.
 
A Sulfasalazina, por exemplo, pode produzir um tipo de erupção semelhante a alergia, na pele. A reação é atribuída à Sulfa, um componente deste agente.
 
Os esteroides também podem causar problemas de pele quando usados a longo prazo. Entre eles estão incluídos as estrias, afinamento da pele, aumento da acne, estufamento (inchaço) do rosto, inchaço dos tornozelos e um tempo mais longo para cicatrização de feridas.
 
Você sabia?
 
Inflamação: inflamação é uma palavra-chave para entender a DII. Quando algum órgão do corpo está inflamado, ele torna-se avermelhado, inchado, dolorido e a sua temperatura aumenta. Há diversas condições que podem causar a inflamação no intestino, entre elas, as infecções.
 
Doença de Crohn (DC): o Doutor Burril Crohn foi um médico de Nova Iorque que, em 1932, descreveu pela primeira vez um grupo de pacientes com a doença intestinal que hoje tem o seu nome.
A DC se caracteriza por uma inflamação que penetra toda a espessura da parede intestinal. Ela pode atacar qualquer parte do aparelho digestório, desde a boca até o ânus. Essa doença não pode ser curada através de cirurgia, pois pode ocorrer novamente em outras partes do trato digestivo. Vale a pena salientar que a maioria das doenças crônicas, como por exemplo, diabete e pressão alta, também não podem ser curadas, mas são efetivamente tratadas com medicamentos.
 
Fonte: GEDIIB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui