Para algumas pessoa a resposta é sim

“Chuva e vento fazem a temperatura despencar no Rio. As temperaturas estarão em acentuado declínio, com máximas previstas de 25°C no sábado e de 21°C no domingo e mínima de 14°C.”

Não estou aqui para ser a #moçadotempo, mas queria aproveitar esse post e declarar que sim, eu sou dessas: 20°C é frio sim e eu vou colocar casaco, calça de moletom e se cair só mais 1 grauzinho eu coloco luva e cachecol =). Brincadeiras a parte…

Trago para vocês verdades que podem doer com esse frio

As pessoas mais afetadas pela dor devido às mudanças bruscas de temperatura, são as que possuem algum tipo de dor crônica como, fibromialgia, artrite reumatoide, artrose, sofrem com sinusite ou enxaqueca, e também as que realizaram algum tipo de cirurgia ortopédica nas mãos, pés, braços ou pernas, e especialmente as quem tem alguma prótese de platina.

Não é impressão, a queda da temperatura de fato pode intensificar a dor. Entretanto, esse efeito nada tem a ver com desencadeamento nem com agravamento da doença.

Segundo o reumatologista Fernando Neubarth, de fato, é comum a associação entre frio e doenças reumáticas, caracterizadas por dores nas articulações, principalmente para quem vive no Sul e no Sudeste do Brasil.

“Mas a verdade é que, apesar de o frio poder aumentar alguns sintomas, essas doenças não pioram nem surgem devido às baixas temperaturas”, garante.

O médico explica que, com a queda da temperatura, as pessoas tendem a se encolher. Há constrição da circulação sanguínea – os vasos ficam mais estreitos –, além de contraturas dos tecidos, tendões e músculos, visando a armazenar o máximo de calor no organismo. As articulações, evidentemente, podem sofrer com tudo isso. “Quando existe uma lesão prévia, o paciente tem a percepção de piora da dor e pode apresentar dificuldade para se movimentar, além de rigidez nas juntas”, assinala Neubarth.

Os sintomas são mais intensos nas articulações periféricas, como os pés e as mãos, nas quais a temperatura corporal é menor, sobretudo se a pessoa também tiver alguma insuficiência circulatória afetando artérias e/ou veias. O médico lembra ainda que o frio é um dos estímulos mais conhecidos para o agravamento do espasmo vascular conhecido como fenômeno de Raynaud.

O paciente com essa manifestação geralmente sofre mais sob baixas temperaturas, em locais onde o inverno é mais rigoroso. “A irrigação sanguínea diminuída, acompanhada ou não desse fenômeno, pode provocar contratura e dor, havendo, em alguns casos, o aparecimento de lesões de pele potencialmente dolorosas nas extremidades, com edema e rachaduras, em especial nas articulações dos pés e das mãos”, descreve o reumatologista.

Calor para aliviar a dor

Para reduzir a sensação de maior intensidade da dor diante das baixas temperaturas, Neubarth recomenda manter-se bem protegido contra o frio, com agasalhos apropriados, e recorrer a banhos de água morna e ao uso de bolsas térmicas nas áreas doloridas. “O calor descontrai músculos, tendões e ligamentos, aliviando a pressão sobre as articulações e favorecendo a circulação sanguínea”, justifica.

Só isso, porém, não basta. Atividades físicas orientadas e de baixo impacto, como caminhadas, não apenas promovem aquecimento, como também ajudam a manter a lubrificação adequada das articulações, reforçando os músculos que as sustentam, diz o médico. Exercícios de alongamento igualmente são importantes, prossegue ele, pois mantêm o tônus, a flexibilidade e a amplitude dos movimentos. Quando, porém, as dores persistirem por vários dias ou semanas, podem ser sinal de algum outro problema. Em tais casos, alerta Neubarth, é imprescindível buscar a avaliação de um especialista.

Fontes:
Tua Saúde
Drauzio Varella
Sociedade Brasileira de Reumatologia
Siga nas redes sociais:
error

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui