Olá pessoal!!! Eu sou Andressa e trato doença de Cronh à quase 5 anos e neste período apareceu fístulas perianais e vaginais fui submetida à 12 cirurgias de limpeza e hoje tem 15 dias da última que fiz… Noticia boa… Tirei outro dreno agora estou com um pois estive com 3 drenos ao redor dos genitais por anos. Sofrimentos dores corridas ao banheiro perda de fezes… Só quem passa entende. Em torno de 15 à 20 vezes durante o dia e à noite entre 4 à 5 vezes. Qndo não tinha nada pra sair saia apenas muco e muita dor.
Fiz uso de todos os medicamentos possíveis e sem sucesso. O corticoide por um tempo me ajudou depois não mais… Passando disso fui pro biológico infliximabe onde usei por 2 anos e meio e as fístulas só aumentava foi ai que descobri o transplante (2015) em São José do Rio Preto na clínica Dr Kaise e Dr Milton uns amores verdadeiros anjos que me indicaram o humira 15/15 dias uma ampola antes de fazer o transplante mas em dois meses de uso já fechou uma fístula e sendo retirado um dreno. Eu moro no Rio Grande do Sul sendo assim esperei e não voltei pra fazer o transplante também por motivos financeiros e visto a melhora esperei. 
E em junho de 2016 Conheci um naturopata de Manaus e desde então sigo o protocolo de alimentação saudável; confesso que comecei duvidosa pois o sofrimento frustra muito a gente. Bom o que quero dizer com isso que na primeira semana de tratamento natural já sessaram as dores e a diarréia junto. Claro que as fezes continua pastosa mas o tratamento é apenas substituir os industrializados por naturais suco verde pela manhã e cuidados básicos e simples. Por motivo do governo fiquei sem a injeção e adivinha… As dores não voltaram. As idas ao banheiro passou para no máximo 4/5 vezes ao dia e à noite nem acordo. Contrariando meu médico de Porto Alegre que insiste em dizer que a doença está ativa  eu prefiro acreditar naquilo que sinto. Estou bem graças à Deus primeiramente porque ele nos apresenta pessoas que nos ajudam e nos fortalece. Rumo à remissão. Espero por mais notícias boas para voltar a relatar para vocês. Obrigada e nunca esqueça de ter fé pois ela nos fortalece e a esperança se mantém aceza dentro de nós. ( foto tirada menos de um mês).
Meu nome é Andressa, tenho 33 anos, moro em Camaquã/RS, sou Operadora de Caixa, tenho Doença de Crohn.
 
Conte sua história também! Expressar-se tranquiliza a dor.
Compartilhe a sua história aqui.  Para ler os depoimentos clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui