Voltar para casa era a minha meta no hospital

Durante meus dias no hospital só pensava na minha filha e foi por ela que permaneci tão focada em sair do hospital. Uma amiga me disse uma vez: Nossa, você estava sempre tão séria no hospital! Respondi que só pensava em voltar pra casa e ver minha filha.

Voltei para casa e não podia pegar mais ela no colo…

A saga da cicatrização

Alguns dias depois comecei a rejeitar os pontos internos… dor… medo… o medo de morrer tomou conta de mim. 

Encontrei um novo cirurgião e ele me ajudou muito, muito mesmo. Quando falou que eu teria que operar novamente entrei em pânico. Ele calmamente sentou comigo e começou a fazer algumas ligações. Ligou para colegas de profissão para saber da experiência deles com pacientes na minha condição (#DII#imunossuprimido, rejeição de pontos). Ligou para o responsável pela tela que ele queria usar na minha cirurgia, com material biológico para otimizar a cirurgia em relação à rejeição. Tudo na minha frente, conversamos bastante!

Essa consulta foi o ponto de partida para eu tomar as rédeas da situação. A primeira coisa que fiz foi aceitar ajuda profissional.

Precisava aceitar essa nova cirurgia

Minha Dermatologista, a melhor do mundo, amiga, excelente profissional, inteligentíssima, amo! Bom, minha Dermatologista já havia me indicado uma amiga Psiquiatra, pois percebeu que eu precisava trabalhar todo esse medo e trauma da cirurgia, então, fui lá. Começamos com algumas medicações e a terapia, até que um dia, conversei comigo mesma e decidi que isso deveria partir de mim e totalmente lúcida. Então parei as medicações (tudo sob a supervisão da Médica), voltei ao Cirurgião, marcamos a cirurgia e ele me liberou para fazer musculação (amo malhar!). Sim! Mesmo com a hérnia incisional podia fazer musculação, bem orientada por um excelente profissional, o André Ponciano.

Mente sã e corpo quase são, em 2014 fiz a nova cirurgia

Um sucesso! Até umbigo novo eu ganhei!

Com a rejeição dos pontos fiquei com uma cicatriz estranha e sem umbigo. Quando o Dr Roberto (Cirurgião sensacional) foi me ver no quarto, olhou a cicatriz e disse: Ficou lindo!

Uma das coisas que não posso negar é que tenho uma mega sorte em encontrar profissionais assim tão queridos e cuidadosos com o paciente.

E a minha filha?

Mais um tempo sem pegá-la no colo… fiquei triste? Sofri? Sim e sim, mas são desafios que precisamos passar, cada um tem o seu ou os seus nessa vida, não sei se terei outros, mas sei que o meu maior motivo de não desistir nunca é a minha filha.

Quais sãos os seus motivos?

Visite aqui a página no Facebook e o Instagram Farmale!
Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui