As respostas físicas e emocionais das pessoas à doença inflamatória intestinal são muito variáveis.

A DII por ser uma patologia crônica pode trazer inúmeras perturbações para os pacientes, tanto pelo tratamento, que nem sempre é efetivo, quanto pelas alterações psicológicas, pois se trata de uma doença que tem várias repercussões na qualidade de vida.

As alterações no projeto de vida é a situação pelas quais os sujeitos se veem obrigados a mudar seus hábitos, costumes e comportamentos a longo, médio e curto prazo, devido à doença.

Grandes mudanças ocorrem em seus modos de pensar, agir, em relação à alimentação e ao componente emocional. A este respeito, alguns autores observaram que, a partir do diagnóstico de doença crônica, os indivíduos acometidos passam a ter novas incumbências. Uma delas é fazer regime de tratamento, o que implica no uso de medicações para o resto da vida, conhecer a doença e lidar com incômodos físicos, sociais e familiares, isso porque a família tende a se transformar e se adaptar junto com o paciente na busca pela estabilidade do processo de aceitação da doença.

Embora as DII cursem com uma expectativa de vida normal, ela diminui a qualidade de vida dos pacientes em comparação a população em geral, devido a sua natureza crônica, sinais e sintomas, gravidade e necessidade de internação e cirurgias.

O cuidar além do físico

Analisar a Saúde Qualidade de Vida Relacionada à Saúde (QV) é de extrema importância quando se trata de doença inflamatória intestinal.

A equipe multiprofissional que atende ao paciente terá de considerar não apenas aspectos biológicos e físicos, mas também as repercussões psicossociais da doença. Assim, um dos objetivos principais dos cuidados da saúde destes pacientes é o restabelecimento da sua QV, que quanto atingidos revela-se altamente benéfica, sendo este um elemento chave no tratamento de doenças crônicas.

Assim, o uso de ferramentas que permitam avaliar a qualidade de vida nestes pacientes representam um importante benefício ao tratamento.

Adicionalmente, a inclusão da avaliação da qualidade de vida no tratamento do paciente leva o mesmo a sentir que a sua opinião está a ser valorizada e aumenta a probabilidade de aderir às orientações dos profissionais de saúde.

Fonte:
Silva, ICL. Qualidade de vida relacionada à saúde em pacientes acometidos por doença inflamatória intestinal tratados com terapia biológica. Dissertação [Mestrado] Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2015.  Disponível em: http://repositorio.unesp.br/handle/11449/128144.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui