Pacientes crônicos passam momentos bastante complicados em suas vidas. Adaptações de rotina, exames, medicações, momentos de altos e baixos. Surportar tudo isso não é fácil e muitas vezes dá vontade de desistir, bate um pessimismo nesses períodos de crise e a gente só reclama. Sentir dor não é fácil para ninguém. Conviver com alguém nessa situação, também não é fácil, mas com um pouco de empatia, nossos amigos e familiares podem ajudar muito.


Infelizmente muitos pacientes de doença inflamatória intestinal ainda precisam lidar com o descaso e incompreensão de pessoas próximas, como familiares e amigos, o que só piora a situação deixando o paciente mais estressado.

Explicar sobre a doença, levar um amigo e/ou familiar nas consultas, são atitudes que podemos fazer para incluir essas pessoas na nossa rotina, isso ajuda à conscientizar. E por falar em conscientizar… sabe o espaço que tem aqui no blog “Conte a Sua História”? O alcance tem sido incrível! Muitos amigos próximos, não sabiam que a doença de Crohn e retocolite fossem tão graves e causar tantos problemas nos pacientes. Isso é conscientizar e fazer com que as pessoas respeitem nossos momentos de crise e acreditem nas nossas dores e cansaço. Não somos preguiçosos! Quantos já ouviram que são preguiçosos? Tenho certeza que muitos. 



Ficamos então com raiva das pessoas que não conseguem se colocar no nosso lugar, não compreendem que a luta é grande, mas apesar disso, precisamos aprender a perdoar esses fatos, pela manutenção da nossa saúde mental e física. Carregar mágoa pode nos tornar amargos e negativos e se não conseguirmos “diluir” essa mágoa sozinhos, é fundamental o acompanhamento psicológico. 
Algumas dicas:


Quando alguém lhe magoar, procure não ficar se martirizando e nem guarde rancor. Ok, eu sei que é difícil, mas podemos trabalhar isso com atividades de relaxamento por exemplo e melhor ainda, com a ajuda de um Psicólogo. Saiba que apegar-se a emoções de ira pode ter um preço alto na sua saúde física. Um estudo publicado pela American Heart Association (Associação Americana de Cardiologia) sugere que altos níveis de ira podem elevar o risco de doença cardíaca coronária.

Guardar raiva dentro de você pode ameaçar seu bem-estar. Quando guardamos mágoas, o nosso cérebro produz substâncias químicas e hormônios ligadas ao estresse. Um estudo da Escola Harvard de Saúde Pública constatou que existe um risco cinco vezes maior de ataque cardíaco e três vezes maior de derrame cerebral nas duas horas seguintes a uma explosão de raiva.

A amargura e a raiva podem provocar níveis mais altos de estresse e elevar o ritmo cardíaco. Qual é o antídoto? O perdão. Pesquisas sugerem que perdoar os outros (e a si mesmo) reduz as respostas de estresse fisiológico. Perdoe de verdade, sem guardar rancor, guarde amor. 

As outras pessoas ou as ações delas não justificam você prejudicar sua própria saúde. A energia do seu pensamento, o seu tempo não podem ser desperdiçados na angústia pelo que aconteceu de errado. Precisamos ultrapassar esse momento, precisamos nos curar desses sentimentos, já temos nossas preocupações com a DII. 

Só mais uma dica! Abandonar a amargura e perdoar não significa que você precisa ser ingênuo ou que as pessoas vão pisar em você. Ok?  Perdoar é parar de alimentar o ressentimento contra quem nos magoou, mas também não precisamos nos obrigar a conviver com quem não queremos mais perto de nós, pois amor e amizade não se força. Lembre-se sempre dessas dicas para a sua saúde mental e consequentemente física:

Aprenda a distinguir quem merece uma explicação
Quem merece somente uma resposta
Quem não merece absolutamente nada

Leia mais aqui no blog: Dicas para a sua saúde mental

Gostaria de compartilhar a sua história? Preencha o formulário aqui  Conte sua História e para conhecer outras histórias  Depoimentos

Visite aqui a página no Facebook. Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui