Janeiro de 2015, férias, alegria e muita dor. 
Estava na casa de amigos no litoral de SC, nos divertimos muito, porém eu sentia que algo não estava legal comigo, dores abdominais, evacuações frequentes com presença de muco e sangue. Logo pensei, deve ser da alimentação, comemos muitas besteirinhas e comemos em horários diferentes afinal estamos de férias. Voltando pra minha cidade comentei com a minha mãe sobre o acontecido, e a mesma me orientou a procurar um proctologista o quanto antes, não dei muito bola pro que ela falou, dias eu estava bem e dias não, emagreci cerca de 6kg em menos de 30 dias, eu estava nos preparativos para minha formatura da faculdade, hoje sou Psicóloga formada, e eu estava num estresse diário. Duas semanas antes da formatura fui ao médico, e ele me pediu uma colonoscopia de urgência, após feio o exame, meu medo era muito grande de saber o resultado, afinal eu queria estar feliz na minha festa, relutei e no fim acabei indo dias antes fazer a consulta e ter o diagnóstico que foi como um soco no estômago. “- Raquel, você tem retocolite severa, nada do que você já comeu ou fez na sua vida resultou a isso, e não existe cura pra esta doença.” Confesso que meu mundo desmoronou, me perguntava porquê comigo? Porque tão nova? e Agora como vou viver com isso o resto da vida? Depois desta consulta iniciei o tratamento com Pentasa 1g (2 ao dia) e Mesalazinha 800mg (3 ao dia), fizemos a solicitação pelo SUS na farmácia de alto custo da minha cidade, o processo foi bem rápido, porém na maioria dos meses algum destes medicamentos está em falta. Comecei a me exercitar fazer musculação (eu era mega sedentária), logo entrei em remissão e estou até hoje em remissão graças a Deus. O apoio da minha família e do meu noivo foi fundamental nesta fase em que minha moral estava extremamente baixa, os amigos que por muitas vezes não entendem muito bem o que tenho, mas que me apoiam e me ajudam quando eu falo que preciso comer coisas sem glúten e sem lactose pra manter minha saúde, e acabam comendo isso junto comigo (chega a ser divertido), a mudança na alimentação se estendeu pra minha família também. Alguns dos meus “conhecidos” (amigos) já riram de mim, falando que o que eu tenho é frescura, que queriam emagrecer também como eu, ouvi várias atrocidades, mas só quem passa por isso sabe como é se sentir impotente frente a uma doença ainda pouco conhecida. Hoje estou com a retocolite moderada, está ali paradinha, mas ainda lembro que está comigo quando por algum motivo minha barriga dói. O que eu levo disso tudo pra minha vida? Que devemos aproveitar ela a cada minuto, não guardar rancor, amar ao próximo, fazer do seu dia o melhor que possa ser, desejar o bem e ser positivo independente da situação, não sei porquê aconteceu comigo, mas sei que aprendi muito e continuo aprendendo a cada dia, não desistam dos seus objetivos, sejam agradecidos, e o mais importante tenham FÉ!
 

Meu nome é Raquel Maus, tenho 27 anos, moro em Blumenau/SC, sou Assistente de Recursos Humanos, tenho Retocolite Severa. Meu perfil no Facebook: Raquel Maus
 
 
Conte sua história também! Expressar-se tranquiliza a dor.
Compartilhe a sua história aqui.  Para ler os depoimentos clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui