Eu tenho que começar a contar minha história contando outra doença que tenho que é a Distrofia Simpático Reflexa, para resumir é um defeito no sistema nervoso simpático, que o nervo que regula o nosso sistema da dor e por isso sou extremamente sensível a dor… Tenho está doença desde 1989.

Fizeram uma simpatectomia e milagrosamente fiquei bem até 2001. Consegui me formar, trabalhava no meu sonho que era eventos, mas comecei a sentir aquela dor novamente e pensei que a doença tinha voltado. Fiz vários tratamentos e um que foi eficiente foi a bomba de morfina.

Em 2007 conheci meu marido e o sonho de ser mãe reascendeu, mas não era possível. Deixei o sonho no fundo do meu coração. Mas por um milagre descobri com 4 meses que estava grávida. Isso foi em 2012.

Tenho além dessa doença diabetes, hipotireoidismo e artrose nos dois joelhos.

Não é fácil cuidar da minha filha mas é mágico e divino. Tem dias que choro escondida no banheiro para ela não ver que não estou dando conta. E para piorar mais ainda meu pai fica ruim da visão e precisei cuidar dele em Belo horizonte, Minas Gerais, e minha mãe também começou a ter problemas psicológicos.Jun tou tudo isso e em Fevereiro de 2016 na sexta feira antes do carnaval passei muito mal. Não conseguia parar em pé. Fui para o hospital e o médico nem me examinou direito, pediu uma tomografia e falou que era uma constipação somente. Enquanto esperava para ser feita a lavagem consegui evacuar. Fui muitas vezes, entupiu o vaso, um absurdo… e no final saiu um jato de sangue… chorei desesperada. Como era madrugada estava sozinha no hospital. Meu marido tinha que ficar com minha filha. O médico voltou. Expliquei o que tinha acontecido e ele disse que como tinha feito muitas fezes devia ter ferido o ânus. Saí tonta. Peguei um táxi e cheguei em casa com muita dor e não conseguia ficar nem um minuto em pé. Fiquei o sábado indo ao banheiro e saia jatos de sangue. Não levantava. No domingo acordei pior. Fomos para o hospital e a médica que me atendeu já me colocou no soro e logo que olhou o exame falou que no exame cogitava que poderia ser Retocolite. Ela pediu exames de sangue e tive que fazer duas transfusões.
Fui internada. E dali em diante foi uma nova descoberta. Uma nova doença.

Viver a vida a cada dia. Viver a vida com o melhor que ela proporciona.

Meu nome é Claudia Marsi, moro em São Paulo/SP, tenho 42 anos, sou aposentada, tenho Retocolite Ulcerativa. Meu Instagram é @serespecialsermae  e essa é a minha página – www.facebook.com/serespecialsermae.

Conte sua história também! Expressar-se tranquiliza a dor. Compartilhe a sua história aqui.  Para ler os depoimentos clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui