Esse ano resolvi fazer um teste para detectar o grau de intolerância à lactose. No meu caso, achei um desperdício de tempo e desgaste (senti muita dor após o exame), pois são alguns anos observando o que como e me faz mal. Sei que quando tomo leite integral ou desnatado fico um balão de gás! Mas sei que alguns queijos e manteiga não me fazem tão mal, na maioria das vezes não fazem mal mesmo.
Então, como seu legal… Hehehe! Brincadeira! Como sei que muitos com doença inflamatória intestinal apresentam sintomas de intolerância à lactose, assim como eu, resolvi buscar essa informação sobre queijos e lactose.
Antes vamos conversar sobre a dieta na atividade da doença e na remissão
São tantas restrições alimentares que fazemos nos momentos de crise que quando vem a remissão dá vontade de comer tudo, certo? Mas… não é bem assim que a banda toca. Durante as crises a dieta é bastante rigorosa, inclusive diferenciada de acordo com os sintomas apresentados pelo paciente. Alguns estão com estenose, outros com fístulas. E quem deve entrar nessa hora? O Nutricionista. Este será seu grande aliado nesse momento de guerra. Nos momentos de remissão, você poderá experimentar os alimentos e aos poucos ir descobrindo quais te causam desconforto ou não. 
 
Vou aproveitar e deixar um convite para o dia 16 de maio, 8 horas para o Encontro Multidisciplinar Para Pacientes Com Doenças Inflamatórias Intestinais” no Hospital dos Servidores (RJ) em comemoração ao Maio Roxo, mês de conscientização sobre as doenças inflamatórias intestinais. Teremos a presença da Nutricionista Cristina Diestel falando sobre a dieta durante a remissão e nos períodos de atividade da doença, além de palestras com as as Dras Ana Braunstein e Giovana Zibetti e com a Farmacêutica aqui, que escreve para vocês. Em breve divulgarei mais informações! 
Voltando aos queijos
Existe algum queijo que não contenha lactose e que pode ser consumido por pacientes com intolerância Para os amantes de queijo a resposta é sim!
Só por curiosidade:
Existem mais de 1.000 tipos de queijos sendo fabricados em diversos países do mundo. De forma geral, os ingredientes básicos para a fabricação de queijos são leite fresco, fermento lático e cloreto de sódio (sal). Entretanto, para a fabricação de alguns queijos, como o tipo emental, o queijo roquefort, camembert, entre outros, utilizam-se microorganismos específicos com o objetivo de produzir as características marcantes de sabor, textura e aroma destes queijos.
Inicialmente o leite é aquecido e logo após resfriado para passar pelo processo de coagulação. Nesta etapa, grande parte da lactose (que está presente no soro do leite) é descartada. Após os queijos são prensados, enformados e os que passam pelo processo de maturação, deverão ser armazenados em temperatura adequada para este processo, que pode levar semanas ou até meses.
Entre as principais funções do processo de maturação está o processo da glicólise – transformação da lactose em ácido lático. Em outras palavras, bactérias utilizadas no processo fermentativo consomem a lactose reduzindo o teor deste carboidrato a quase zero. O produto da glicólise, o ácido lático, não possui lactose e, portanto, não causa nenhum tipo de efeito a intolerantes à lactose. Isso explica o fato de alguns tipos de queijo conterem um teor muito baixo de lactose e poderem ser consumidos sem sentirmos os desconfortos da Intolerância à lactose.
E os queijos processados?
Queijos processados são aqueles que normalmente vem embalados em fatias individuais. Um exemplo comum são os queijos usados pela indústria de fast food. Na verdade este produto é uma massa que contém queijo, corantes, emulsificantes, aromatizantes, e, em muitos casos, leite em pó e soro de leite. Por tanto, este tipo de queijo geralmente contém mais lactose do que os queijos tradicionais.
E os queijos zero lactose?
A diferença básica é a adição da enzima lactase ao leite com o qual é produzido o queijo. Este processo tem sido utilizado principalmente em queijos frescos, que costumam conter um teor de lactose mais elevado. É o caso da ricota, do queijo minas frescal, da mussarela fresca e dos queijos processados.
Mas atenção: alérgicos à proteína do leite não podem consumir nenhum destes queijos!!! Intolerância à lactose não é o mesmo que alergia!!!
Tudo bem que o texto é sobre queijo e que para variar estou fazendo textão novamente… 😁 mas a vontade de contar para vocês sobre a manteiga é grande! Não consigo deixar para outro texto!
Então, e a manteiga?
A manteiga é feita a partir do creme de leite batido, então logo pensamos que ela contém lactose, mas o produto final é basicamente composto de gordura e adição de cloreto de sódio (sal).  Nas embalagens dos produtos é possível verificar que, da mesma forma que as margarinas, as manteigas também apresentam 0g de carboidratos (lactose) e 0g de proteínas, ou seja, novamente podemos afirmar que a quantidade de lactose e proteínas do leite é tão pequena que é considerada irrelevante. Para confirmar esta informação, o Lactose Não entrou em contato com o SAC de alguns fabricantes. Esses relataram que o teor de lactose fica entre 0,07g a 0,5g enquanto outras marcas reportaram que o teor lactose não era detectável. Ou seja, a manteiga é considerada um produto que contém apenas traços de lactose e de proteínas. Somente nos casos de reações severas às proteínas do leite, as manteigas e margarinas devem ser evitadas.
Importante dizer que os resquícios de lactose que estão na manteiga podem dar reação dependendo do nível da sua intolerância. Lembra quando escrevi no início que podemos fazer alguns testes, experimentando os alimentos e observando nossa intolerância? Então, para mim, a manteiga não faz mal, assim como os queijos curados. E para você, já testou? Não se sentiu bem? Então utilize produtos de origem vegetal e/ou sem lactose. Consulte sempre um Nutricionista para te auxiliar na dieta.
Utilizei dois blogs que são uma boa referência sobre lácteos, alergias e intolerância. Os links estão compartilhados abaixo e vale muito a pena vocês conhecerem esses blogs para mais informações e receitas deliciosas que são compartilhadas lá.
Fonte: 

Lactose Não 

 

Visite aqui a página no Facebook. Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
 
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
 
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

6 COMENTÁRIOS

  1. Eu costumo comer queijo meia cura, mas bem pouquinho. A manteiga me faz muito mal assim como outros tipos de gordura, o que deve ser decorrente do fato de eu ter tirado a vesícula (é… tava cheia de pedrinhas pretas nada preciosas, provavelmente por causa do crohn). Então além de restringir a lactose tenho que restringir também a gordura além de tooooodos os outros condimentos picantes e tudo mais que acho que não faz bem pra nenhum de nós com os intestinos sensíveis!
    Adorei o texto! Obrigada!

    • Bem por aí mesmo Amanda! Um Nutricionista e/ou Nutrólogo podem contribuir muito para a melhoria da nossa qualidade de vida. Um abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui